Torcida do Palmeiras (Foto: Ale Cabral/LANCE!Press)

Torcida do Palmeiras  apoia o time. Verdão é o terceiro em sócios(Foto: Ale Cabral/LANCE!Press)

LANCE!
16/11/2015
08:55
São Paulo (SP)

Por meio de benefício resgatado pelo Clube de Vantagens Avanti, programa de sócios-torcedores do Palmeiras, cinco associados se encontraram com o atacante Lucas Barrios, na Academia de Futebol. O Verdão atualmente conta com 126.361 filiados e ocupa o terceiro lugar do Torcedômetro, ranking nacional do Movimento por um Futebol Melhor.

- Foi uma experiência muito legal, acima das minhas expectativas. Conheci os jogadores, tirei fotos e ainda pude brincar com o Barrios. Espero que o Palmeiras e o Avanti continuem assim, pois a tendência é só crescer. Querendo ou não, quem ajuda a bancar o time é o Avanti. Com essas ações, com certeza seguirá crescendo - afirmou o associado Caio Rangel Finocchiaro, de 21 anos, ao site oficial do Verdão.

O grupo de membros Avanti acompanhou o treino da última quinta-feira e pegou autógrafos de diversos jogadores, como Fernando Prass, Gabriel Jesus, Robinho, Rafael Marques e Vitor Hugo. O volante Gabriel, que se recupera de cirurgia no joelho esquerdo, encontrou os associados enquanto realizava exercícios de fortalecimento e também atendeu aos sócios-torcedores.

- Apesar de ser um pouco tímido por causa da língua, o Barrios é muito gente boa. O Rafael Marques é outro que nos tratou muito bem também. E o Robinho é sensacional, muito engraçado - disse José Antonio Lima Júnior, de 29 anos, que também participou da ação.

Além de participarem de ações exclusivas e ajudarem seus clubes, sócios-torcedores do Palmeiras, também aproveitam os descontos e benefícios oferecidos por Ambev, Unilever, Pepsico, SKY, TIM, BIC, Centauro.com.br, Easy Taxi, Multiplus, Editora Abril, Méliuz e Raízen, empresas parceiras do Movimento por um Futebol Melhor.

Desde 2013, o Movimento concedeu mais de R$ 60 milhões em descontos aos associados. Em julho, o projeto atingiu a histórica marca de 1 milhão de sócios e contribui para uma receita estimada de R$ 400 milhões/ano no futebol brasileiro.