icons.title signature.placeholder LEONARDO PEREIRA
icons.title signature.placeholder LEONARDO PEREIRA
30/08/2015
07:04

Nem Porto, nem Benfica e nem Sporting. O único participante do Campeonato Português com 100% de aproveitamento é o Arouca, time proveniente de um município com apenas 22.359 habitantes, segundo o Instituto Nacional de Estatística. Uma equipe ainda desacostumada com o primeiro escalão da Terrinha e na elite do futebol lusitano apenas pela terceira vez. Neste domingo, às 13h (horário de Brasília), fora de casa, contra o Paços de Ferreira, os comandados do técnico angolano Lito Vidigal dependem das próprias forças para seguirem mais uma rodada na liderança isolada do torneio.

Em duas jornadas de Liga Sagres, dois triunfos. A vitória mais épica em 54 anos de história ocorreu no último domingo: 1 a 0 sobre o poderoso Benfica, um triunfo tão ou mais comemorando do que um título. O jogo teve de ser transferido para Aveiro para comportar a torcida lisboeta. O resultado, claro, repercutiu na imprensa portuguesa durante toda semana.

– Serviu como lição. Todo mundo falava que já tínhamos perdido, mas provamos que o futebol se resolve nas quatro linhas. Abrimos o placar cedo. Depois, diante da superioridade técnica do adversário, nos defendemos. No fim, ainda tivemos chance de marcar mais – lembrou o atacante Leandro, em entrevista ao LANCE!.


Nem mesmo o mais otimista dos arouquenses acreditava num começo tão promissor. Em 2014-2015, o time terminou o Português uma posição acima da zona de rebaixamento.

– Aprendemos a crer nos bons resultados. As pessoas começam a olhar nosso time de forma diferente – indica o atacante Maurides.

E MAIS
>Porto assume a ponta provisória e seca o Arouca
>CR7 não marca. Mas Bale e James dão show

Neste momento, pensar em liderança ainda é algo prematuro na Serra da Freita. Entretanto, a missão do Arouca é não deixar a carruagem virar abóbora muito cedo.

BATE-BOLA: Carlos Pinho, presidente do Arouca, ao LANCE!

‘Nunca vi um grupo tão empenhado’

Carlos Pinho trocou a comissão técnica inteira para a temporada (Crédito: Reprodução/YouTube)

LANCE: O que significou a vitória sobre o Benfica para um clube com a estrutura do Arouca?

Carlos Pinho: Enfrentar um rival com os títulos que o Benfica ganhou já é uma honra. Vencê-los é mais do que conquistar os três pontos. O Arouca jogou muito bem e triunfou com méritos. Não é todo dia que desfrutamos de uma vitória deste tamanho. Estou muito orgulhoso do trabalho desempenhado pela equipe. Não se pode medir o tamanho da alegria. Será um feito importante para a sequência da competição.

L: O senhor chegou a sonhar com o Arouca na liderança do Campeonato Português?

CP: Não escondo que o Arouca é um clube modesto de Portugal. Do mesmo modo, posso afirmar que trata-se de uma terra com gente trabalhadora. A campanha nos enche de satisfação.

L: Existe algum segredo para explicar o sucesso do Arouca neste início de temporada?

CP: Em dez anos de clube, nunca vi um grupo tão empenhado. Mudamos a comissão técnica inteira em relação à última temporada. Nosso atual treinador, Lito Vidigal, é um sujeito humilde e incansável. Um homem que se encaixa no meu perfil, porque estuda o futebol noite e dia. Sou exigente. Os reforços brasileiros também estão muito bem e se adaptaram rápido. Tenho plena confiança neste elenco.

L: Colocando os pés no chão, qual é a realidade do Arouca no campeonato nacional?

CP: Primeiro, vamos pensar em somar os pontos necessários para seguirmos na liga principal de Portugal. Se conseguirmos, poderemos sonhar com voos mais altos, como uma vaga na Liga Europa. Com muito esforço, estamos trabalhando muito bem. Temos um bom time para alcançarmos nossos objetivos.

Expressões lusitanas confundem brazucas

Maurides, à esquerda, ainda está aprendendo o português lusitano (Crédito: Divulgação)

Emprestados pelo Internacional ao Arouca até o fim desta temporada, os atacantes Maurides e Leandro ainda encontram algumas dificuldades para entender as particularidades do português lusitano. No Norte do país, o sotaque é ainda mais carregado, o que vem gerando situações até engraçadas para os jogadores brasileiros.

– O pessoal fala muito “parvo” (gíria que pode significar idiota, tolo). Me enrolo um pouco. Às vezes, eles falam muito rápido, como nós, brasileiros. Custa um pouco a decifrar. E o “pá”. É o tempo todo – diverte-se Maurides, ao LANCE!.

O mesmo ocorre com o companheiro de ataque Leandro.

– Não me deparei com grandes adversidades. Só com a língua mesmo – completou.

 
 Leandro está no Arouca, mas ainda pertence ao Internacional (Crédito: Divulgação)

Em Portugal, a dupla sabe que o período no Arouca pode significar um grande salto na carreira.

– Minha intenção é seguir na Europa nos próximos três anos. A saudade do Brasil é grande, mas quero voltar mais experiente – disse Maurides, autor de um dos gols do Arouca na vitória sobre o Moreirense por 2 a 0, em duelo válido pela primeira rodada do Campeonato Português, há duas semanas.

Nem Porto, nem Benfica e nem Sporting. O único participante do Campeonato Português com 100% de aproveitamento é o Arouca, time proveniente de um município com apenas 22.359 habitantes, segundo o Instituto Nacional de Estatística. Uma equipe ainda desacostumada com o primeiro escalão da Terrinha e na elite do futebol lusitano apenas pela terceira vez. Neste domingo, às 13h (horário de Brasília), fora de casa, contra o Paços de Ferreira, os comandados do técnico angolano Lito Vidigal dependem das próprias forças para seguirem mais uma rodada na liderança isolada do torneio.

Em duas jornadas de Liga Sagres, dois triunfos. A vitória mais épica em 54 anos de história ocorreu no último domingo: 1 a 0 sobre o poderoso Benfica, um triunfo tão ou mais comemorando do que um título. O jogo teve de ser transferido para Aveiro para comportar a torcida lisboeta. O resultado, claro, repercutiu na imprensa portuguesa durante toda semana.

– Serviu como lição. Todo mundo falava que já tínhamos perdido, mas provamos que o futebol se resolve nas quatro linhas. Abrimos o placar cedo. Depois, diante da superioridade técnica do adversário, nos defendemos. No fim, ainda tivemos chance de marcar mais – lembrou o atacante Leandro, em entrevista ao LANCE!.


Nem mesmo o mais otimista dos arouquenses acreditava num começo tão promissor. Em 2014-2015, o time terminou o Português uma posição acima da zona de rebaixamento.

– Aprendemos a crer nos bons resultados. As pessoas começam a olhar nosso time de forma diferente – indica o atacante Maurides.

E MAIS
>Porto assume a ponta provisória e seca o Arouca
>CR7 não marca. Mas Bale e James dão show

Neste momento, pensar em liderança ainda é algo prematuro na Serra da Freita. Entretanto, a missão do Arouca é não deixar a carruagem virar abóbora muito cedo.

BATE-BOLA: Carlos Pinho, presidente do Arouca, ao LANCE!

‘Nunca vi um grupo tão empenhado’

Carlos Pinho trocou a comissão técnica inteira para a temporada (Crédito: Reprodução/YouTube)

LANCE: O que significou a vitória sobre o Benfica para um clube com a estrutura do Arouca?

Carlos Pinho: Enfrentar um rival com os títulos que o Benfica ganhou já é uma honra. Vencê-los é mais do que conquistar os três pontos. O Arouca jogou muito bem e triunfou com méritos. Não é todo dia que desfrutamos de uma vitória deste tamanho. Estou muito orgulhoso do trabalho desempenhado pela equipe. Não se pode medir o tamanho da alegria. Será um feito importante para a sequência da competição.

L: O senhor chegou a sonhar com o Arouca na liderança do Campeonato Português?

CP: Não escondo que o Arouca é um clube modesto de Portugal. Do mesmo modo, posso afirmar que trata-se de uma terra com gente trabalhadora. A campanha nos enche de satisfação.

L: Existe algum segredo para explicar o sucesso do Arouca neste início de temporada?

CP: Em dez anos de clube, nunca vi um grupo tão empenhado. Mudamos a comissão técnica inteira em relação à última temporada. Nosso atual treinador, Lito Vidigal, é um sujeito humilde e incansável. Um homem que se encaixa no meu perfil, porque estuda o futebol noite e dia. Sou exigente. Os reforços brasileiros também estão muito bem e se adaptaram rápido. Tenho plena confiança neste elenco.

L: Colocando os pés no chão, qual é a realidade do Arouca no campeonato nacional?

CP: Primeiro, vamos pensar em somar os pontos necessários para seguirmos na liga principal de Portugal. Se conseguirmos, poderemos sonhar com voos mais altos, como uma vaga na Liga Europa. Com muito esforço, estamos trabalhando muito bem. Temos um bom time para alcançarmos nossos objetivos.

Expressões lusitanas confundem brazucas

Maurides, à esquerda, ainda está aprendendo o português lusitano (Crédito: Divulgação)

Emprestados pelo Internacional ao Arouca até o fim desta temporada, os atacantes Maurides e Leandro ainda encontram algumas dificuldades para entender as particularidades do português lusitano. No Norte do país, o sotaque é ainda mais carregado, o que vem gerando situações até engraçadas para os jogadores brasileiros.

– O pessoal fala muito “parvo” (gíria que pode significar idiota, tolo). Me enrolo um pouco. Às vezes, eles falam muito rápido, como nós, brasileiros. Custa um pouco a decifrar. E o “pá”. É o tempo todo – diverte-se Maurides, ao LANCE!.

O mesmo ocorre com o companheiro de ataque Leandro.

– Não me deparei com grandes adversidades. Só com a língua mesmo – completou.

 
 Leandro está no Arouca, mas ainda pertence ao Internacional (Crédito: Divulgação)

Em Portugal, a dupla sabe que o período no Arouca pode significar um grande salto na carreira.

– Minha intenção é seguir na Europa nos próximos três anos. A saudade do Brasil é grande, mas quero voltar mais experiente – disse Maurides, autor de um dos gols do Arouca na vitória sobre o Moreirense por 2 a 0, em duelo válido pela primeira rodada do Campeonato Português, há duas semanas.