HOME - Barcelona x Athletic Bilbao - Campeonato Espanhol - Suárez (Foto: Josep Lago/AFP)

Patrocínio milionário da Qatar Airways com o Barcelona corre sério risco de não se renovado  (Foto: Josep Lago/AFP)

SANTI NOLLA
28/01/2016
13:00
Editor do Mundo Deportivo - Pool do L!

O Qatar fez uma forte aposta no Barcelona e colocou a sua marca no coração do melhor clube do mundo.  O Barça passou a ser o número 1 em patrocínio ao receber R$ 140 milhões por ano, durante cinco temporadas. Isso permitiu ao Blaugrana seguir competitivo e poderoso. As duas partes saíram favorecidas, mesmo com os dois lados críticados. No Qatar, por apostar tão fortemente em apenas um clube (naquele momento, sem o PSG) e no Barcelona a oposição fez uma bandeira anti-Qatar.

A inclusão do Qatar na camisa foi aprovada por 90% dos sócios. Mas a pressão sempre foi uma constante, mesmo sem ter em conta que o acordo era um convênio apenas comercial. O curioso é que em Paris essa pressão não existia. E olha que o Qatar não era patrocinador e, sim, proprietário do PSG. E ninguém questionava outros patrocínios bem mais problemáticos que o dos qataris.

O país do Oriente Médio teve de conviver com a perseguição, a maioria da imprensa britânica, que não digeriu a perda da Copa do Mundo de 2022 para o Qatar em vez de os EUA, apoiado pela Inglaterra. Vários relatos questionaram a honestidade das eleições, enquanto a partir de Qatar negou as alegações.

O tempo passou. Hora de pensar na renovação. o vice-presidente Javier Faus chegou a um acordo com o Qatar para renovar o contrato de patrocínio que expira este ano, antes das eleições. O montante atingiria um aumento para R$ 270 milhões de euros/ano e ocorreu um pacto verbal. Josep Maria Bartomeu disse ao responsável Qatari que ele preferiria assinar o contrato após as eleições de modo que não foi mal compreendido.

Bartomeu defendeu o acordo com o Qatar, esclarecendo que ele havia pedido uma empresa internacional para fazer uma pesquisa de mercado para ver se havia outras ofertas interessantes. Claramente venceu a licitação para ser o mais forte na defesa da camisa de patrocínio. Ao mesmo tempo, no Qatar, Hassan, o chefe da Copa do Mundo de 2022 lutou para manter o acordo, enquanto havia uma oposição que argumentava que o dinheiro deveria ir para o PSG. Também havia a pressão do Qatar Airways. A empresa argumentou que não poderia pagar duas vezes para ter um conteúdo a menos. Afinal, o acordo não incluía a camisa do treinamento ou de uma parte da fachada da entrada do estádio. Mas Hassan tinha dado sua palavra e a manteve.

No entanto, em uma reunião que era para ser apenas um protocolo a assinar os acordos, após as eleições, o Barcelona, através do seu presidente, disse que o patrocínio deveria ter um aumento para R$ 450 milhões, alavancada pela imagem do tridente. Quem tinha negociado para o clube do Qatar foi ferido. Negociações fracassaram e as relações foram tocados.

Isso acordou Rummenigge, presidente-executivo do Bayern. Ele resolveu se posicionar, uma vez que acredita que o Qatar é uma boa aliança para o futuro do clube bávaro, que como todos os clubes de elite precisa de alta renda para competir. Os alemães passam por um estágio. Aceitaram uma proposta de R$ 67 milhões para a camisa do treinamento, e ainda assim usando o nome Aeroporto do Qatar, para não ferir o acordo em vigor do Bayern com a empresa aérea alemã Lufthansa.

Hoje, as negociações com o Barça estão correndo. Mas não é a mesma coisa. O clube catalão chegou em algum momento a baixar os seus pedidos e se aproximar da oferta inicial, mas recuou. No momento, tudo é mais difícil. Os números à mesa são distantes e a cordial relação que sempre ocorreu entre as partes arrefeceu apesar de todos os esforços do Barcelona em remediar a situação.