Que massacre! Barcelona atropela a Roma por 6 a 1 na Liga (Foto: AFP / PAU BARRENA)

Neymar e Messi comemoram na goleada do Barcelona sobre a Roma pela Liga (Foto: AFP / PAU BARRENA)

Rodrigo Cerqueira
25/11/2015
18:57
Rio de Janeiro (RJ)

O momento do Barcelona é dos sonhos. E surpreende porque muita gente sempre acha que o time não "tem mais como melhorar". E tem. Veja que trata-se do atual campeão da Liga dos Campeões, espanhol e da Copa do Rei. E que disputará o Mundial de Clubes como superfavorito.

Depois da saída de Pep Guardiola, muito se falava sobre o futuro do clube, se conseguiria seguir tão forte e dono do melhor futebol do mundo. Com Tito Vilanova, já falecido, o desempenho caiu um pouco. E quando Tata Martino assumiu, a equipe esteve longe dos dias de glórias. Então a chegada de Luis Enrique fez o time catalão resgatar o que tinha de melhor: posse de bola, domínio de jogo, pressão no adversário, gols e títulos.

Seria Luis Enrique, então, o "sucessor de Guardiola"? Não, mas é um técnico com conhecimento de causa do clube, que até teve atritos com alguns astros do time, como Messi e Neymar. Mas que soube explorar toda a essência catalã citada acima. E que tem em mãos simplesmente quatro dos cinco melhores jogadores do mundo: Iniesta, Suárez, Neymar e Messi.

Se Pep assombrou o mundo com um time que ganhou tudo, dominava os adversários e tinha em Messi sua principal referência, sendo servido por Xavi e Iniesta, agora Luis Enrique tem dois gênios ao lado de Messi: Suárez e Neymar.

E mesmo com a saída de Xavi - Rakitic cumpre bem a função -, a evolução do Barcelona com a chegada destes jogadores continuou. É até um time mais letal, ousado e agudo em campo. Ainda falta Arda Turan entrar na equipe - poderá jogar em janeiro, quando termina a punição da Fifa ao Barça, que permitirá também o clube a contratar outros astros. Com esse panorama, a evolução catalã seguirá em curso.