Andy Woodward

Andy Woodward foi o primeiro a denunciar o caso (Foto: Reprodução)

RADAR/LANCE!
28/11/2016
12:04
Londres (ING)

Nesta segunda-feira, abuso sexual e pedofilia voltaram a ser assunto na imprensa inglesa. Em entrevista ao jornal britânico "The Guardian", Gordon Taylor, chefe-executivo da associação dos jogadores de futebol profissional da Inglaterra (FPA), revela que o caso vai além do que foi noticiado há três dias. Até o gigante Manchester City estaria envolvido, por exemplo. 

- Daqueles jogadores que se aposentaram, mais de 20 deram um passo à frente. Nós começamos no Crewe e vamos até o Manchester City, Stoke, Blackpool, Newcastle, Leeds. Eu acredito que ainda terá mais, não posso acreditar que isso aconteça apenas no nordeste e noroeste. Temos que ter consciência de que isso pode acontecer no país inteiro da mesma maneira que outras profissões que tenha crianças. Na igreja, nas escolas - salientou Gordon Taylor.

No último domingo, a Associação Inglesa de Futebol (FA) anunciou que já está sendo feita uma revisão interna para analisar as recentes denúncias.

A polícia britânica, por sua vez, já está investigando acusações de pedofilia em clubes citados pelas vítimas envolvidas.

Em relação às equipes, Crewe e Manchester City, de acordo com o diário, deram o pontapé em suas investigações internas, enquanto outros clubes se puseram à disposição de autoridades locais visando colaboração. 

RESUMO DO CASO

No último dia 25, veio a público que sete ex-jogadores ingleses tinham sofrido abuso sexual do treinador Barry Bannel quando eram crianças. Paul Stewart, Steve Walters, Andy Woodward, David White, Crhis Unsworth, Jason Dunford e outra vítima (a que não teve o nome revelado) trouxeram à tona o escândalo no futebol do país.

Barry Bannell, segundo a imprensa britânica, alterou seu nome para Richard Jones. Bannell tem 62 anos e foi preso em 1998, ficando nove anos na cadeia após ser declarado culpado por mais de 20 casos de abuso sexual de crianças entre nove e 15 anos. Atualmente, ele está solto.