Gianni Infantino

Liderado por Gianni Infantino, a ideia do grupo de cartolas é de que a Copa de 2026 escolha a(s) sede(s) entre 2017 e 2019 (Foto: Luis Robayo / AFP)

RADAR/LANCE!
12/10/2016
11:33
Zurique (SUI)

Esta quinta-feira promete ficar marcada na história do futebol. Isso porque, com a reunião do Comitê Executivo da Fifa, em Zurique, impactantes propostas serão postas à mesa. 

De acordo com a edição do jornal "O Estado de S. Paulo" desta quarta-feira, a entidade estuda o aumento no número de participantes da Copa do Mundo, com mais de uma sede por edição, e um inchaço no Mundial de Clubes, que passaria a ter 16 clubes. 

Recém-eleito presidente da Fifa, Gianni Infantino já teria alguns aspectos do novo formato da Copa desenhados. A competição iria de 32 para 48 times, com uma fase preliminar com dois mata-matas, na qual 16 equipes se juntariam a outros 16 classificadas diretamente para o torneio regular (fase de grupos e, em seguida, mata-mata).

A publicação aponta para um forte indício que as mudanças podem de fato ocorrem já na Copa de 2026, que, seguindo o princípio da rotatividade entre continentes, deveria acontecer na América do Norte. Esclarecendo: a Conmebol recebeu a promessa de ter cinco vagas diretas e uma sexta realizaria uma repescagem - ou seja, uma mais em paralelo aos dias atuais.

O diário também traz que a Concacaf, nos bastidores, já indicou que estaria disposta a aceitar o novo modelo, que será apresentado nesta quinta, na cidade suíça.

TV pode travar ideia

A proposta, no entanto, pode ficar apenas no papel devido a dois elementos: os direitos televisivos, uma vez que emissoras podem não arriscar pagar caro para hipoteticamente ver a seleção de seu país jogar apenas dois jogos, e a resistência de algumas federações europeias. 

Aumento do Mundial de Clubes

Já em relação ao Mundial de Clubes, a entidade tem como foco deixar a competição mais engrossada, com 16 clubes - hoje, são sete classificados. 

O aumento do Mundial seria facilitado com a possível extinção da Copa das Confederações, que pode não ocorrer a partir de 2021, um ano antes da Copa do Mundo do Qatar, uma vez que estaria gerando déficit à Fifa. 

Outra contundente alteração quanto competições pode ser quanto às Olimpíadas, que, afetada por um possível inchaço do Mundial de Clubes, pode passar a não contar mais com atletas profissionais.