LANCE!
10/05/2016
07:40
Londres (ING)

Campeão da Premier League, o Leicester, claro, vai ter um grande aumento de receita para a próxima temporada, e pode usar o título como um ponto de partida para se tornar um clube rico. Porém, um outro time inglês tem uma excelente perspectiva para o futuro. Também dono de uma campanha surpreendente em 2015/16, os Hammers terão um novo estádio, já garantiram casa cheia para o ano que vem inteiro, e já está pensando em investimentos pesados.

A diretoria já prometeu reforços badalados. Porém, a grande estrela da próxima temporada será o Estádio Olímpico. Após os Jogos de 2012, o West Ham fez um acordo com a prefeitura e a Corporação de Desenvolvimento e Legado de Londres (LLDC) para ficar por lá durante 99 anos, e pagando 2,5 milhões de libras (R$ 12,8 milhões) por ano. Valor que cai pela metade em caso de rebaixamento.

De cara, o estádio vai render 12 milhões de libras (R$ 61,4 milhões) por ano. Sem pensar em tipo mais criativos de receitas que certamente vão aparecer.

Valor este que é muito pequeno para um clube de Premier League. E detalhe... O West Ham pode vender os naming rights, e rapidamente recupera o valor para o século quase inteiro que vai ficar lá. Só terá que pagar uma taxa à LLDC de 4 milhões de libras (R$ 20 milhões).

E o clube já começa a colher frutos e fazer dinheiro. Todos os 50 mil carnês com ingressos para a próxima temporada inteira já foram vendidos. A lotação máxima do estádio é de 60 mil pessoas. O resto é de outras entradas, como torcedores visitantes, convidados, etc.. E já há uma lista de reserva para 2017/18.

- Sempre acreditamos na torcida, e sabíamos que eles iriam dar essa resposta. Estamos muito contentes em criar esse imaginário no torcedor dos Hammers em ir para o Estádio Olímpico - disse Karren Brady, vice-presidente do West Ham.

O Upton Park, que terá sua despedida nesta terça-feira contra o Manchester United, ainda vai render uma grana. O West Ham vai vender as traves, diversos letreiros, cadeiras das arquibancadas, do banco de reservas, e até a tradicional máquina de fazer bolhas de sabão. Até plaquinhas do time "não pise na grama" estão na lista. E as solicitações chegam aos montes.

- Ter um estádio novo como esse traz muito impacto. O West Ham não investiu dinheiro em sua construção e vai conseguir ampliar muito sua receita. Além da venda de ingressos, tem os camarotes, que pesam muito, áreas VIPs... Para pensar em ter um futuro promissor, tem que ter retorno esportivo. O clube precisa saber usar este dinheiro que vai entrar - disse Amir Somoggi, especialista em marketing e economia no futebol, e colunista do LANCE!.

E tudo isso vem justamente em uma grande temporada do West Ham. O time é sétimo colocado, melhor posição do time na Premier League desde 2001/02, quando também ficou nesta colocação. E ainda pode melhorar. O trabalho do técnico Slaven Bilic vem dando resultado, e o grande desafio para 2016/17 será manter os seus principais astros, principalmente Payet, que entrou na seleção do ano na Premier League.

As promessas já surgiram. Sócio majoritário do West Ham, David Sullivan prometeu reforços caros e de peso. O dirigente adiantou que vai gastar 50 milhões de libras (R$ 256 milhões) em apenas um jogador. Segundo ele, um atacante de ponta. Além de outros reforços.

- Hoje fiz uma oferta de 30 milhões de euros (R$ 120 milhões) por um jogador, e outras vão chegar. Vamos fazer uma proposta de 20 ou 25 milhões de libras (R$ 102 ou R$ 128 milhões) por um jogador na Inglaterra esta semana. Mas aconteça o que acontecer, vamos trazer um atacante de alto nível - disse o dirigente à Sky Sports.