Equador x Argentina

Messi anotou três gols e teve peso fundamental no triunfo (AFP)

Luiz Fernando Gomes
11/10/2017
10:00
São Paulo (SP)

O susto passou. Mas os problemas estão longe de desaparecer. A Argentina, graças ao talento de Messi, garantiu sua vaga na Copa da Rússia. Mas isso não é o fim, é apenas o começo do que precisa fazer para voltar a ser aquela Seleção que, há três anos, chegou à final do Maracanã, fez jogo duro com a campeã Alemanha e por pouco não tornou ainda mais trágica para nós, brasileiros, as lembranças do Mundial dentro de casa. De lá para cá os hermanos passaram por uma intervenção na antes poderosa AFA, envolta em escândalos e naufragada em dívidas; greves que paralisaram o campeonato local; mudança nas relações entre o futebol e o governo que mantinha o monopólio dos direitos de TV na era Kirchner; dois sofridos vice-campeonatos na Copa América e até a ameaça de Messi em deixar a Seleção.

Há 24 anos eles não conquistam um título internacional relevante. Se a nossa situação, com a CBF que conhecemos, está longe de ser a ideal, por lá, com a AFA, é ainda pior. O pesadelo dessas Eliminatórias foi construído a partir de uma série de erros – foram três técnicos, por exemplo – dignos da cartolagem tupiniquim. Dessa vez Messi resolveu. Mas sua genialidade não basta para garantir dias melhores. A Argentina precisa de muito mais para poder dormir tranquila até à Rússia.

Além de Messi, Cristiano Ronaldo está de passagem marcada para a Rússia. Com uma vitória de 2 a 0 sobre a Suiça, em Lisboa, Portugal está classificado para a Copa. A França venceu a Bielorrúsia por 2 a 1, em Paris, e também garantiu sua vaga. Itália, Grécia, Dinamarca, Irlanda, Irlanda do Norte, Croácia, Suiça e Suécia ainda disputam a repescagem europeia. Estão em aberto também três vagas na Africa e as repescagens Peru x Nova Zelândia e Honduras x Austrália (que ontem eliminou a Siria) Mas as oito seleções cabeças de chave estão definidas: Rússia, Brasil, Alemanha, Argentina, França, Polônia, Bélgica e Portugal. Agora já são 23 países classificados. Assim distribuídos:

America do Sul: Brasil, Uruguai, Argentina e Colômbia
Europa: Russia (dona da casa), Bélgica, Alemanha, Inglaterra, Espanha, Polônia, Sérvia, Portugal, França e Islândia
Concacaf: México, Costa Rica e Panamá
Asia: Japão, Irã, Coréia do Sul e Arábia Saudita
Africa: Nigéria e Egito