Cavani - Uruguai x Paraguai - Eliminatórias 2018

Cavani vibra logo ao marcar o primeiro gol do Uruguai sobre o Paraguai, após jogada espetacular de Luis Suárez. A dupla trocou de posicionamento no jogo e matou o rival (MIGUEL ROJO / AFP)

RADAR/LANCE
06/09/2016
21:51
Montevidéu (URU)

O Uruguai massacrou o Paraguai nesta terça-feira, no Estádio Centenário, em Montevidéu, pelas Eliminatórias da América do Sul.  Depois de sofrer algum susto nos minutos iniciais, a Celeste se encontrou quando marcou o primeiro gol e a partir daí mostrou muitos pontos fortes: toque de bola, posicionamento eficaz e um golpe de mestre tático: o goleador Suárez saindo para buscar o jogo e deixando que Cavani se torna-se o verdadeiro camisa 9 da seleção. O resultado é que o Paraguai não sabia como marcar o rival, que goleou por 4 a 0 e poderia ter feito muito mais.

Cavani fez dois gols em passes de Suárez. Luisito também deixou a sua marca, cobrando pênalti que ele mesmo sofreu. Cebolla Rodríguez completou. Com o resultado, o Uruguai foi para 16 pontos na tabela de classificação e pulou do segundo para o primeiro lugar, beneficiado pelo empate da Argentina com a Venezuela (2 a 2). O Paraguai, fora do G4, está com 12 pontos.   

O JOGO 

O Paraguai começou bem, equilibrando o jogo e com ousadia ofensiva, assustando desde os primeiros minutos com o corintiano Angel Romero. Porém, depois dos dez minutos, o Uruguai começou a dominar o meio de campo, viu o rival recuar e acabou chegando ao gol aos 17 minutos numa jogada bem tramada, na qual o lateral Corujo tocou para Suárez ganhar de Paulo da Silva na corrida e cruzar para Cavani, que se antecipou ao zagueiro Aguilar e tocou de primeira para a rede.

O gol deixou o Paraguai ainda mais cauteloso, o que deu espaços para a Celeste seguir em cima e matar o jogo quando fez o segundo gol em falha defensiva de Candia. O lateral-esquerdo cochilou na marcação a Cebolla Rodríguez, deixando o rival se antecipar após cobrança de escanteio de Ramírez, aos 41 minutos.

Nos minutos finais da primeiro etapa o que se viu foi um Paraguai perdido em campo e o lance do terceiro gol foi exemplo disso. Suárez avançou, agora pela esquerda, tirou Moreira da jogada e foi derrubado de forma inusitada. Aguilar, escorregou na jogada e acertou em cheio o goleador do Barcelona. Pênalti que Suárez cobrou para ampliar. 

No segundo tempo o panorama seguiu totalmente favorável ao Uruguai. A entrada de Santander no lugar de Lezcano não deixou o Paraguai mais perigoso e as falhas defensivas permaneciam. Aos nove minutos, um erro coletivo fez o time levar mais um gol. Um chutão do goleiro Muslera em tiro de meta foi parar nos pés de Suárez na ponta esquerda. Endiabrado, o goleador deixou Paulo da Silva no chão e cruzou para Cavani - livre, com o goleiro batido - cabecear e fazer 4 a 0.  Massacre.

O Uruguai continuou chegando com extrema facilidade na área sempre que Suárez recebia a bola. E embora ficasse várias vezes na frente do atônito goleiro Barreto, perdeu as chances para ampliar.

Depois dos 25 minutos, o treinador Tabárez resolveu sacar a dupla de ataque. Cavani saiu primeiro, depois Suárez, ambos ovacionados pelos torcedores uruguaios, que não lotaram o Centenário.  Uma pena, pois a Celeste fez o seu melhor jogo em muitos anos. 

FICHA TÉCNICA
URUGUAI 4 X 0 PARAGUAI
ELIMINATÓRIAS SUL-AMERICANAS - 8ª rodada

LOCAL:
Estádio Centenário, Montevidéu (URU)
DATA E HORA: 6/9/2016 - 20h (de Brasília)
ÁRBITRO: Wilton Sampaio (BRA/FIFA)
AUXILIARES: Kleber Lucio Gil e Bruno Boschilia (BRA)
CARTÕES AMARELOS:  Giménez  e Ramírez (URU), Aguilar (PAR)

GOLS: Cavani, 17'/1ºT (1-0), Giménez, 41'/2ºT (2-0), Suárez, pênalti, 45'/1ºT (3-0), Cavani, 8'/2ºT (4-0)

URUGUAI: Muslera; Corujo, Giménez, Godín e Silva; Sánchez, Arévalo Ríos, Cristian Rodríguez e Ramírez (Alvaro Pereira, 41'/2ºT) ; Suárez (Hernández, 30'/2ºT) e Cavani (Stuani, 25'/2ºT) TEC: Oscar Tabárez

PARAGUAI: Barreto; Aguilar, Moreira, Paulo da Silva e Candia; Ayala (Almirón, 11'/2ºT), Ortigoza (Rivero, 19'/2ºT), Riveros e Oscar Romero; Lezcano (Santander, Intervalo) e Angel Romero. TEC. Francisco Arce