LANCE!
26/08/2016
12:29
Barcelona (ESP)

O goleiro Jasper Cillessen foi apresentado nesta sexta-feira pelo Barcelona. Ele será, inicialmente, reserva de Ter Stegen. No entanto, o arqueiro, que atuava pelo Ajax, revelou que não chega ao clube catalão com esse pensamento.

- Quem faz a escolha é o treinador. Eu e Ter Stegen não seremos inimigos, um fará o outro melhor. Espero dificultar a vida do treinador. O que posso fazer é dar o meu máximo no dia a dia - disse.

Cillessen revelou estar feliz por chegar ao Barcelona, que já teve grandes jogadores holandeses como Cruyff, Frank de Boer, Overmars e Kluivert.

- Estou muito feliz e orgulhoso por estar no Barça. Espero que possamos vencer muitos troféus juntos. Para mim, viver em Barcelona será um sonho. É muito especial e motivador estar no mesmo clube onde Johan Cruyff esteve alguns anos atrás. Para mim é especial jogar aqui, pois vários holandeses jogaram no Barcelona. É especial chegar aqui e poder deixar o povo holandês orgulhoso - completou.

Bravo no City
Cillessen chega para substituir Bravo, agora no City (Foto: Divulgação)

O jogador é o substituto do chileno Claudio Bravo, que deixou o clube para jogar no Manchester City, de Pep Guardiola. Aos 27 anos, o goleiro foi titular da seleção holandesa na Copa do Mundo de 2014 e custou 13 milhões de euros (R$ 47 milhões).

Durante a coletiva de apresentação de Cillessen, o secretário técnico do clube, Robert Fernández, teve que responder muitas perguntas sobre a saída de Claudio Bravo.

- Ninguém do clube queria a saída dele. Tentamos até o último dia que o Claudio permanecesse aqui. Porque ele é um goleiro magnífico e sempre estivemos muito felizes com ele. Outra coisa é o jogador pedir para sair. E temos de respeitar essa situação. Outra coisa importante é a hora de negociar jogadores. Ele tinha mais duas temporadas conosco, e isso significa que estávamos em uma situação de risco. Se ele não renovasse, a partir de 2018 seria agente livre e poderia negociar com qualquer clube. Aí o Barcelona teria tudo a perder. Diante dessa situação, não há outra saída - lamentou o secretário.