LANCE!
20/10/2017
08:30
Plovdiv (BUL)

O futebol não tem fronteiras. Jogadores de diversas nacionalidades se tornam ídolos em países jamais imaginados. Outros conquistam respeito de grandes torcidas, mas poucos conseguem unir idolatria e respeito no exterior. É o caso do atacante brasileiro Fernando Viana, do Botev Plovdiv, da Bulgária.

O jovem de 25 anos chegou ao time búlgaro no início de 2017. Desde então, o jogador tem caído nas graças do torcedor do Botev Plovdiv. Logo na estreia, balançou as redes. Ainda no primeiro ano na equipe, venceu a Copa da Bulgária. Na atual temporada, mais um título: a Supercopa da Bulgária. Com as conquistas, faltava pouco para virar ídolo entre os torcedores. Mas, desde a última semana, a idolatria é geral, já que Viana marcou quatro gols em uma mesma partida do Campeonato Búlgaro.

- O jogo foi contra o Septemvri, no dia 12 de outubro. Jogávamos em casa, com apoio da nossa torcida, que é um diferencial muito grande. A torcida aqui é muito apaixonada e nos empurra dentro de campo. Começamos a partida já pressionando e depois de marcar aos 25 minutos, pressionamos ainda mais. Fiquei feliz demais quando cheguei ao hat-trick, já que faz um tempo que eu buscava isso. Já tinha marcado duas vezes, em três outros jogos. E aí quando veio o quarto foi muito melhor do que eu imaginava. Terminamos o jogo com placar de 5 a 0. Deus é bom demais. A torcida vibrava muito, foi inesquecível - contou.

Fernando Viana - Botev Plovdiv
Fernando Viana é um dos destaques do Botev (Foto: Divulgação)

Apesar de ter se adaptado rapidamente à Bulgária, Fernando Viana admite que não esperava entrar para a história do Botev Plovdiv de forma quase que instantânea. O atacante, além dos títulos e da marca de quatro gols em apenas uma partida, mantém excelente média de gols marcados.

Na temporada passada o jogador atuou em 13 jogos e marcou seis vezes. Nesta já são 14 partidas e dez gols, sendo um nos playoffs da Liga Europa e outros nove no campeonato búlgaro.

- Não fazia ideia que podia entrar para história dessa forma. Os títulos da Copa da Bulgária, na última temporada, e da Supercopa nessa, já me faziam sentir parte da história do clube. Já que a equipe não ganhava títulos há mais de 40 anos. Nosso time está crescendo muito e sinto que podemos mais ainda. Sabemos que nós estrangeiros e principalmente brasileiros somos muito cobrados aqui fora, é preciso mostrar resultado. Então, atingir essa marca me deixou muito feliz - destacou.

OBJETIVOS, PLANOS E RELAÇÃO COM A TORCIDA

As excelentes marcas desde que chegou ao Botev Plovdiv não poderiam render outra coisa que não o enorme carinho da torcida local. Fernando Viana destaca a relação com o torcedor e conta momentos engraçados, mas que geram orgulho no dia a dia.

- A torcida aqui é fanática, apaixonada, viaja, vibra, canta o tempo todo, e um diferencial: respeita muito a todos como profissionais. Quando ganhamos o título da Copa, invadiram o campo e comemoraram com a gente. Foi fantástico. Além disso, na rua sempre estou em contato com os torcedores, apesar de apenas "arranhar" o búlgaro. Mas recebo muito carinho aqui. É muito legal ver as crianças tentando dizer alguma palavra em português para me agradar e falar comigo. Já imagino eles treinando em casa para aquele momento. Isso não tem preço. Mas o que eu nunca tinha vivido foi, após os quatro gols marcados em uma partida, ver que as pessoas compraram a minha camisa 9 de jogo com o meu nome e fotos com o meu rosto. Autografei alguns desses materiais e fiquei muito feliz com carinho e apoio - disse.

Fernando Viana - Botev Plovdiv
Viana tem dois títulos pelo Botev Plovdiv (Foto: Divulgação)

Bem adaptado, Viana busca novos títulos na Bulgária. Apesar de sentir saudades do Brasil, o atleta não pensa em voltar ao país agora. O foco é colocar o Botev Plovdiv no topo do futebol búlgaro.

- Os objetivos sempre são os títulos. Apesar de já termos ganho dois nessas temporadas, temos condições de buscar o Campeonato Búlgaro e quem sabe a Copa de novo. Estamos subindo na tabela, já são cinco vitórias seguidas e estamos em quarto. Vamos trabalhar e buscar. Acho que sempre vou sentir saudades do Brasil. Porém, nossa vida é assim mesmo e temos que acostumar. Minha esposa está aqui e já me auxilia demais. O povo búlgaro é muito receptivo e faz de tudo para nos sentirmos em casa e isso ajuda muito. Me adaptei muito bem tanto fora quanto dentro de campo. Em relação ao futuro, claro que um dia pretendo voltar para o Brasil sim, mas creio que não agora. Quero crescer aqui na Europa, mas hoje só penso nos meus objetivos aqui no clube e preciso estar focado - relatou.