Fred dá entrevista coletiva no Fluminense (Foto: Nelson Perez/Fluminense F.C)

Fred concedeu coletiva e decidiu seguir no Fluminense (Foto: Nelson Perez/Fluminense F.C)

Matheus Babo
15/04/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

De sábado, quando se reuniu com a diretoria e disse que não jogaria mais enquanto Levir Culpi fosse o técnico do Fluminense, até a quinta-feira, quando foi reintegrado ao grupo, Fred sofreu. Há sete anos e meio no clube, o jogador tem as Laranjeiras como uma casa. E foi isso que o fez permanecer no Tricolor. Segundo o próprio camisa 9, o carinho dos funcionários do clube, da torcida nas ruas e até dos vizinhos foram fundamentais durante o tempo em que a direção deu para ele refletir sobre a permanência.

- Eu vi o que eu recebi. Eu vi o tanto de pancada, de gente, hoje quando as três senhoras que fazem o almoço do clube foram levar o almoço chorando comigo, me pedindo pra ficar. Não é só pelo clube, pelas marcas, recordes, é pelo calor humano mesmo. Recebi mensagem até de gente que está em outro clube falando para ficar. Mexe com a gente. O Fluminense é o clube que mais vivi coisas boas, mas me fez crescer. Se acontecesse uma saída pela porta dos fundos, seria muito ruim para todo mundo, principalmente pra mim - disse o jogador.

Fred também deixou bem claro que o peso de uma história tão bonita quanto a dele no clube o fez pensar muito a favor da permanência. A ideia era resolver a situação o mais rápido possível. Assim que aceitou conversar com a diretoria e Levir, o artilheiro colocou na mesa duas questões: se houve maldade da parte de Levir e se aquilo era um processo de fritura para tirá-lo do clube. As respostas que ouviu foram positivas e não querer encerrar a história no clube pesou no fim das contas:

- Até eu falar, queria resolver as coisas o mais rápido possível. Graças a Deus, não falei nada antes. Após reflexão e oração, as coisas foram clareando. Não posso jogar a minha história de título na lata de lixo. O que eu falei ao Peter e ao Levir... se tivesse maldade, tínhamos de resolver. Assim como se tivesse fritura para eu sair... O momento era de falar. A conversa foi boa.

E o artilheiro chegou a receber sim propostas de outros clubes. Caso decidisse pela saída, já haviam algumas equipes buscando contar com o camisa 9:

- Chegaram propostas de outros clubes. Para o pessoal que trabalha comigo e para o clube. Eu, particularmente, não conversei com ninguém.