Gum

Zagueiro Gum anotou 25 gols em 354 jogos pelo Fluminense (Foto: Eduardo Viana/Lancepress!)

LANCE!
15/12/2016
17:20
Rio de Janeiro (RJ)

Gum está de saída do Fluminense. Nome mais contestado do elenco, o zagueiro chegou nas Laranjeiras em agosto de 2009 e marcou 25 gols em 354 jogos pelo clube.

Na ocasião, o Tricolor carioca atravessava um péssimo momento. Em sua estreia no dia 30 de agosto, sabor amargo na derrota por 2 a 0 para o Santos, pelo Campeonato Brasileiro.

Apesar de não ter tido um bom início, com a chegada do técnico Cuca o zagueiro teve papel fundamental na arrancada que livrou o clube do rebaixamento, marcando gols em jogos contra o Internacional e o Cruzeiro, e assim ajudando o Fluminense em uma série invicta de dez partidas no Campeonato Brasileiro.

Na Copa Sul-Americana Gum anotou o gol da classificação para a final contra o Cerro Porteño, no Maracanã aos 47 minutos do segundo tempo. Na decisão diante da LDU, o zagueiro fez o terceiro gol da vitória por 3 a 0.

Em 2010, Gum foi titular durante toda a temporada, além de capitão em alguns jogos, e foi peça importante na conquista do Campeonato Brasileiro, formando a defesa menos vazada da competição, ao lado de Leandro Euzébio.

No tetracampeonato tricolor em 2012, conquistado de forma antecipada, Gum se consolidou como um grande zagueiro, formando novamente com seu parceiro Leandro Euzébio a zaga menos vazada da competição, dessa vez sob o comando de Abel Braga.

Em janeiro de 2015 renovou seu vínculo com o Fluminense por mais quatro temporadas. Ainda em 2015, quando completou 280 partidas pelo clube, foi homenageado por com uma placa comemorativa pelo feito, e entrando na relação dos 30 jogadores que mais atuaram na história do Tricolor.

No dia 22 de novembro de 2015, contra o Avaí, Gum completou 300 partidas pelo Fluminense. Neste jogo, Gum anotou um gol na vitória tricolor por 3 a 1.

Na atual temporada, apesar de ter perdido espaço no time titular, por causa das chegadas dos zagueiros Henrique, da Napoli, e de Renato Chaves, da Ponte Preta, tornou-se o zagueiro a mais tempo defender a camisa do Fluminense, completando oito temporadas.

Como não poderia deixar de ser, o LANCE! ouviu especialistas para ver se era realmente necessária a sua saída.

José Luiz Portella (Colunista do L!)

- Creio que sim (a saída de Gum). O futebol dele decresceu muito e ele errou em lances fundamentais, onde faltou foco e dedicação. E o Fluminense tem o direito de renovar o elenco fazê-lo.

João Carlos Assumpção (Colunista do L!)

- Acompanho a carreira do Gum desde antes de ele ir para o Fluminense. Sempre achei um bom zagueiro. Tipo xerifão. Fez ótimas temporadas pelo Flu, mas também viveu momentos bem ruins e, especialmente no último ano, parte da torcida pegou demais em seu pé. Acho que sua relação com a galera e o clube está desgastada. Apesar de ser um bom jogador nunca foi técnico nem um craque, embora soubesse se impor e avançar para o ataque, muitas vezes levando perigo à defesa adversária. Pode ser útil a outras agremiações, mas no Fluminense acho que já deu o que tinha que dar. Para os dois lados seria bom que se saísse. Pelo menos é o que acho.

Eduardo Tironi (Colunista do LANCE!)

- Acho que foi o fim de um ciclo. Não se nega a importância do Gum na história do Fluminense, mas acabou o seu tempo no clube. No Brasil há uma dificuldade grande de encarar este tipo de coisa com profissionalismo, que é o mais justo para todos. A reação de boa parte da torcida com a saída do Leo Moura do Flamengo foi parecida e hoje dá para perceber que o ciclo dele havia terminado. O Fluminense só não pode errar na substituição do Gum. Tem de trazer alguém que não faça a torcida sentir que saiu perdendo no negócio.