Diego Cavalieri - Fluminense

(Foto: Pedro H. Tesch / Agência Eleven / Lancepress!)

LANCE!
10/10/2017
07:00
Rio de Janeiro (RJ)

Aos 34 anos e em sua sétima temporada nas Laranjeiras, Diego Cavalieri viveu uma experiência única nos últimos meses. Pela primeira vez no Fluminense, o camisa 12 virou reserva por questão técnica. A volta do camisa 12 à meta desde a partida contra o Grêmio, no último domingo, é uma aposta de Abel Braga para recuperar o Tricolor no Brasileirão - a equipe está a um ponto do Z4.

De acordo com Cavalieri, o período afastado da equipe principal serviu de aprendizagem e reflexão. O goleiro afirmou que a decisão de Abelão não o surpreendeu, e nem tirou sua motivação nos treinos.

– Não é fácil. Trabalho sempre querendo o melhor, procurando evoluir, estar em bom nível, mas é natural quando os resultados não são os esperados que haja mudanças. Mas também foi um momento de muito aprendizado e de amadurecimento. Encarei as coisas de forma tranquila, como sempre fiz na minha vida. São momentos complicados, desafios que você tem que superar e sabia que a única coisa que me restava era continuar trabalhando sério, me dedicando, e esperar uma nova oportunidade.

O camisa 12, campeão brasileiro em 2012 sob o comando de Abel Braga, mostrou carinho ao falar da relação com o técnico. Além disso, revelou que não foi avisado quando sacado ou posto entre os titulares.

– É um cara que admiro e respeito. É o comandante e não tem que ficar falando porque colocou ou tirou. Não sou de ficar perguntando o por quê. Temos um respeito e uma amizade grande e eu respeitei a decisão. Segui de cabeça erguida e trabalhando – comentou Diego.

Receita para a reabilitação

Quando Diego Cavalieri perdeu a condição de titular, apenas três rodadas do Brasileirão haviam sido disputadas. O início do Fluminense, porém, era animador, com seis pontos conquistados e o sétimo lugar da tabela. De lá para cá, a situação mudou e o time está na briga contra o Z4.

O goleiro, que viu a queda de rendimento de fora, não vê a irregularidade como algo particular do Flu.

– É uma tendência. Nenhum time teve regularidade tão grande. O que teve foi o Corinthians, que já está oscilando. O resto da tabela, principalmente do sétimo para baixo, está muito embolado – avaliou Cavalieri, que ainda diise o que o time precisa fazer para recuperar a confiança:

– O que falta é sequência de bons jogos para resgatar a confiança. Só boas apresentações e vitórias vão trazer isso para gente – finalizou.