LANCE!
06/10/2017
07:00
Rio de Janeiro (RJ)

Ao lado de Richarlison, Henrique Dourado formou um dos ataques mais temidos do Brasil. Até agosto, quando o jovem atacante transferiu-se para o futebol inglês, o Fluminense tinha média de 1,79 gols marcados por jogo.

Desde a venda do camisa 19 ao Watford, o time comandado por Abel Braga disputou 13 partidas, entre Brasileirão e Sul-Americana, tendo feito 13 gols.

Apesar do números comprovarem a falta do ex-parceiro, o Ceifador não vê a saída de Richarlison como única explicação para a fase ruim do Flu no Brasileiro. Para Henrique Dourado, toda a equipe caiu de rendimento.

- Não atribuo o momento à saída dele. É um ogador diferenciado, era a nossa válvula de escape, assim como o Wellington. Agora, quando o coletivo vai bem, o individual aparece. Foi assim que ele se destacou - avaliou Henrique Dourado.

A verdade é que Abel Braga não encontrou no elenco alguém para fazer o papel de Richarlison. Wellington Silva seria o substituto natural, mas o camisa 11 passa por um momento ruim.

Após ser reprovados nos exames médicos do Bordeaux, Wellington não tem tido boas atuações. Com dores no púbis, desfalcou o Flu na última rodada.

A bola da vez é Robinho, que, recém-contratado, já apareceu entre os titulares nos últimos jogos. O artilheiro do Brasileirão acredita que a equipe de Abel Braga tem condições de voltar a apresentar um bom futebol.

- Em alguns momentos que a gente não contou com ele, o time deu resposta. Temos de retomar a força coletiva para recuperar o futebol do começo do ano. Ninguém dava nada e encantou muitas pessoas - cobrou o camisa 9.