Marcus Vinicius Freire

Marcus Vinicius Freira ao lado do presidente Pedro Abad (Foto: Lucas Merçon/Fluminense F.C.)

LANCE!
11/08/2017
15:15
Rio de Janeiro (RJ)

Exatos 33 anos após a conquista da medalha de prata nas Olimpíadas de Los Angeles-1984, o ex-jogador de vôlei Marcus Vinicius Freire foi apresentado nesta sexta-feira, 11 de agosto, como diretor executivo geral do Fluminense. Com experiência no ramo esportivo - trabalhou no Comitê Olímpico Brasileiro por oito anos -, o dirigente comentou os desafios que terá nas Laranjeiras.

- Fico feliz de ter sido o escolhido. Demoramos a concluir as negociações, pois no dia seguinte da proposta final eu viajei para a Europa. Precisei de 17 dias para aceitar. Agradeço pela confiança. O desafio é gigante - afirmou Marcus Vinicius, nesta sexta-feira, antes de emendar:

- Estou aprendendo como funciona o clube. Quando cheguei, a Roberta Fernandes (diretora jurídica) me disse que cada ano no futebol vale por sete. Já percebi isso. Estou estudando, buscando informações. Quero aprender o mais rapidamente possível para ajudar o Fluminense - afirmou o diretor executivo.

Marcus Vinicius foi apresentado ao lado do presidente Pedro Abad. Na longa entrevista no CT Pedro Antonio, o diretor disse que o convite para trabalhar no Fluminense chegou através da consultoria financeira Ernst & Young, empresa contratada pelo clube. No cargo só 15 dias, Marcus Vinicius admite que ainda está conhecendo as necessidades, planos e a rotina de um clube de futebol. 

'É uma data especial, chegar ao Flu no dia 11 de agosto, 33 anos da medalha de prata em Los Angeles. Não tinha como recusar o convite do Fluminense. É um grande clube. Foi o primeiro clube que pisei no Rio', Marcus Vinicius Freire, ao ser apresentado como diretor executivo geral 

A reformulação do organograma e a profissionalização da gestão do clube foi uma das bandeiras do presidente Pedro Abad e a chegada de Marcus Vinicius dá continuidade às mudanças nas Laranjeiras. O diretor chega ao Flu em um momento financeiro delicado e destacou a importância do clube assumir uma administração como a de uma empresa. 

- A Ernest & Young trabalhou no COB, CBF, Fla e está no Flu. Acredito que os conceitos sejam o mesmo. Nossa proposta é trabalhar com divisão de responsabilidades dentro de comitês. O futebol é formado por Veiga, Torres, Teixeira, Abel e Abad. Agora entra o CEO com a equipe que for necessária - detalhou Marcus Vinicius, antes de seguir:

- Nossa proposta é que os vices e conselheiros subam para um Conselho, não sendo executivos do dia a dia. Eu me reporto diretamente ao presidente Abad. Vamos subir o organograma no site oficial. É exatamente como numa empresa.

Marcus Vinicius revelou que um dos assuntos tratados no Fluminense desde sua chegada é a Sede das Laranjeiras. Mais especificamente a recuperação do local e a utilização do Estádio Manoel Schwartz em jogos das equipes de base. O clube está captando recursos para viabilizar a reforma no local, que deixará as Laranjeiras em condições de receber partidas noturnas.

A ideia é que a sede seja sustentável, assim como os Esportes Olímpicos. O clube deve anunciar nas próximas semanas um novo nome à frente do setor. Outras frentes que Marcus Vinicius está trabalhando é nas diminuição dos custos operacionais do Maracanã e o projeto do estádio próprio do Tricolor.