Marquinho e Levir Culpi - Fluminense x São Paulo

Com Levir Culpi, Marquinho teve mais chances saindo do banco (Foto: Celso Pupo Agência Lancepress!)

Matheus Dantas
11/11/2016
07:50
Rio de Janeiro (RJ)

Uma sobrevida. Assim definiu Marquinho, meia do Fluminense, a chance que alguns jogadores - em especial os que não vinham sendo utilizados por Levir Culpi - terão na reta final do Campeonato Brasileiro sob o comando de Marcão. A lista é longa e Marquinho está nela, já que, desde que retornou às Laranjeiras em junho, só iniciou duas partidas como titular.

São apenas três dias sendo orientado pelo ex-volante, mas o camisa 77 garante que as mudanças já estão claras em vários aspectos. Indicando que concordou com a decisão da diretoria em "chacoalhar a equipe" trocando o comando técnico, o meia afirma que o elenco está mais motivado para conseguir o grande objetivo do Fluminense em 2016: classificar-se para a Libertadores.

- Acho que não é nem difícil de ver (as mudanças). A qualidade dos treinos agora, desde que o Marcão assumiu, já é outra. A motivação, o entusiasmo do grupo também. Dá moral para quem não estava jogando, e isso ajuda muito. Para mim a competitividade é a chave de tudo - comentou Marquinho.

Marquinho não foi o único jogador que não conquistou uma sequência de titular com Levir Culpi. O treinador apostava na manutenção de uma base de oito a nove nomes, buscando o maior entrosamento e o melhor rendimento. Com a oscilação no Brasileiro e a sequência ruim de resultados (dois empates e quatro derrotas), o experiente técnico acabou demitido por Peter Siemsen.

Dos oito reforços contratados para o Campeonato Brasileiro, apenas William Matheus e Wellington se firmaram na equipe principal. Após alguma chances, Henrique Dourado, Danilinho e Maranhão perderam espaço. Aquino pouco atuou e Alexis Rojas não fez sua estreia. Para Marquinho, uma sequência iniciando os jogos fez falta para que ele mostrasse seu melhor futebol em 2016.

- Eu sempre procuro evoluir, independentemente de estar jogando bem ou não. Sempre fui assim, mas não ter uma sequência é muito ruim para o jogador. Jogar uma como titular, depois no outro (jogo) nem entrar, entrar 15 minutos. Isso dificulta. Sempre procurei espaço como titular. Fisicamente parei em um ponto no qual só evoluo pegando ritmo de jogo - comentou o meia.

Nos treinos que comandou até o momento, Marcão não deu qualquer indicação de qual time mandará a campo na terça-feira, dia 15, contra o Atlético-PR. O fato é que jogadores como Marquinho, Dudu, Osvaldo & Cia., aguardam a chance que não tiveram nas últimas rodadas do Brasileirão.