RADAR/LANCE!
13/06/2016
16:16
Rio de Janeiro (RJ)

Há três jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro, o Fluminense está em 11º e precisa reagir, agora sem Fred, na competição. Logo após o empate em casa diante do Grêmio, no último sábado, o técnico Levir Culpi elogiou os jovens do Flu e disse que é necessário "acreditar nesses meninos".

Contra os gaúchos, três jogadores produzidos em Xérem - CT conhecido por ser um celeiro de craques - entraram em campo (Douglas, Gustavo Scarpa e Marcos Junior) e outros três ficaram como opções no banco de reservas (Igor Julião, Marlon Santos e Marlon Freitas).  

Além do trio, o atacante Richarlison, que veio do América-MG recentemente, também é garoto e, talvez, seja hoje o jogador do elenco que mais tenha responsabilidade, já que está substituindo Fred na frente.

Mas voltando a Xerém: no total, Levir Culpi pode contar com mais de um time de jogadores criados em casa. Para o ataque, por exemplo, além de Marcos Junior, já citado, o treinador ainda tem Samuel e Pedro - este último, tido como joia, se destacou no Brasileirão sub-20 do ano passado. 

Uma pergunta, no entanto, martela a cabeça do torcedor tricolor: será que os jovens darão conta num campeonato como o Brasileiro, tão competitivo e desgastante, em todos os aspectos? Para tentar diminuir essas dúvidas, especialistas do LANCE! deram suas opiniões sobre o assunto. Confira:

Daniel Bortoletto, editor do LANCE!

O Fluminense tem fabricado muitos talentos. O problema é precisar vender muitos deles antes mesmo de darem alegrias para os torcedores no time profissional. Com a saída do Fred não é justo colocar nos jovens tal responsabilidade Cavalieri, Henrique e Cícero, por exemplo, terão de assumir um protagonismo maior.

João Carlos Assumpção, colunista do LANCE!

O Fluminense está certíssimo em recorrer à base. O torcedor tem que entender que não aparecerá um novo Fred do dia para a noite e ter paciência, especialmente com os mais jovens.

No início do ano alguns valores já foram testados, como Danielzinho e Douglas. Mas não só eles. Gustavo Scarpa e Marcos Júnior também. Pedro é outro que deve ter mais oportunidades e Levir Culpi está certo ao olhar para a base.

Gosto do Gustavo Scarpa, que para mim finaliza bem, sabe cabecear e quando necessário marca firme, dificultando o jogo do adversário.
Já o Marcos Júnior, pelo que pude observar, é um atacante que se desloca bem na área, sabe jogar pelos cantos e ainda cruza na cabeça de quem está na área.

Se diretoria e torcida tiverem cautela e não se precipitarem no julgamento e a comissão técnica souber usa-los com parcimônia e na hora certa eles podem dar bons frutos ao Flu. É o que espero que aconteça, pois na base está a saída para nosso futebol. E o Flu é um dos poucos times no Brasil que sabe trabalhá-la.

Hugo Mirandela, repórter do LANCE!

Os meninos de Xerém têm personalidade para assumir responsabilidade após a saída de Fred e virarem referências do time. Eles mostraram isso logo no primeiro jogo após a perda do ex-capitão tricolor, contra o Grêmio. Os melhores em campo foram Gustavo Scarpa e Marcos Junior. O atacante entrou e mudou a cara do time, fazendo o gol de empate do Flu.

A assistência foi do jovem meia, que é o principal destaque da equipe nesta temporada. Pedro, artilheiro do sub-20, também pode ser bem aproveitado nos profissionais. Na última partida do Flu pelo Brasileiro da categoria, ele fez três gols na goleada de 5 a 0 contra o Santos.