icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
20/08/2015
21:02


O Fluminense foi prejudicado pela arbitragem em dois momentos. Não fez uma boa partida, nesta quinta-feira, no Maracanã, no jogo de ida pelas oitavas de final da Copa do Brasil, criando poucas oportunidades, e pior, oferecendo espaços demais ao Paysandu, mas conseguiu, nos acréscimos, marcar o gol da vitória de 2 a 1, numa pancada de Renato, resultado injusto para o Papão no Maracanã, sob o ponto de vista do futebol.

O Paysandu, como previsto, entrou recuado, arriscando sem sucesso um ou outro contra-ataque. E mesmo assim poderia ter tomado gol. Aos 16 minutos, o auxiliar Celso Luiz da Silva assinalou equivocadamente posição irregular de Ronaldinho Gaúcho, que entraria livre na área. Aos 19, Emerson praticou defesa espetacular, quando Fred concluiu passe preciso de peito de Ronaldinho Gaúcho.


Refeito do susto, o time do Pará acertou enfim a marcação, e passou a se lançar à frente com maior confiança. Aos 36, Yago Pikachu cruzou, a zaga dormiu e Aylan emendou de primeira, obrigando Júlio César a fazer milagre. O Fluminense começou a enfrentar dificuldades para superar o Papão, que trocava passes com acerto, tanto que o mesmo Pikachu, sozinho, só não fez porque tentou driblar o goleiro. A torcida tricolor chegou a vaiar.

A equipe carioca, que já havia perdido Wellington Silva por contusão, foi obrigada, por motivo semelhante, a voltar para a etapa final com Magno Alves no lugar de Fred. O Paysandu retornou fechado, mas bobeou aos 10, quando Gustavo Scarpa cruzou para ele, o Magnata, cabecear: 1 a 0. Mas o time paraense manteve a sua estratégia. Aos 26, o árbitro apitou falta inexistente de Édson em Carlinhos. Pikachu cobrou com muita categoria à esquerda: 1 a 1.

O Fluminense se complicou. Misael quase vira aos 33. Júlio César voltou a fazer grande defesa. Lucas Gomes substituiu um esgotado Ronaldinho Gaúcho. Aos 44, Aylon desviou de cabeça e o goleiro voltou a praticar intervenção espetacular. Aos 47, Renato apanhou a sobra da zaga e fuzilou: 2 a 1. O que valeu, enfim, foi bola na rede.

FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE 2 x 1 PAYSANDU

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 20/08/2015, 19h
Árbitro: Igor Junio Benevenuto (MG)
Assistentes: Eduardo Goncalves da Cruz (MS) e Celso Luiz da Silva (MG) 
Renda/Público: R$ 406.550,00 / 11.597 pagantes (13.523 presentes)
Cartões amarelos: Magno Alves e Edson (FLU). Ricardo Capanema, Jhonnatan, Gualberto, Misael, Yago Pikachu, Augusto Recife e Emerson (PAY).
Cartão vermelho: Não houve
Gols: Magno Alves 1-0 (9'/2ºT), Yago Pikachu 1-1 (26'/2ºT) e Renato 2-1 (47'/2ºT). 

FLUMINENSE: Júlio César, Wellington Silva (Renato, 29'/1ºT), Gum, Marlon e Gustavo Scarpa; Edson, Jean, Cícero, Marcos Júnior e Ronaldinho Gaúcho (Lucas Gomes, 25'/2ºT); Fred (Magno Alves - Intervalo). Técnico: Enderson Moreira.

Paysandu: Emerson, Yago Pikachu, Thiago Martins, Gualberto e João Lucas; Ricardo Capanema, Augusto Recife, Jhonnatan (Misael, 19'/2ºT) e Carlinhos (Paulo Otávio, 38'/2ºT; Aylon e Leandro Cearense (Betinho 43'/2ºT). Técnico: Dado Cavalcanti.


O Fluminense foi prejudicado pela arbitragem em dois momentos. Não fez uma boa partida, nesta quinta-feira, no Maracanã, no jogo de ida pelas oitavas de final da Copa do Brasil, criando poucas oportunidades, e pior, oferecendo espaços demais ao Paysandu, mas conseguiu, nos acréscimos, marcar o gol da vitória de 2 a 1, numa pancada de Renato, resultado injusto para o Papão no Maracanã, sob o ponto de vista do futebol.

O Paysandu, como previsto, entrou recuado, arriscando sem sucesso um ou outro contra-ataque. E mesmo assim poderia ter tomado gol. Aos 16 minutos, o auxiliar Celso Luiz da Silva assinalou equivocadamente posição irregular de Ronaldinho Gaúcho, que entraria livre na área. Aos 19, Emerson praticou defesa espetacular, quando Fred concluiu passe preciso de peito de Ronaldinho Gaúcho.


Refeito do susto, o time do Pará acertou enfim a marcação, e passou a se lançar à frente com maior confiança. Aos 36, Yago Pikachu cruzou, a zaga dormiu e Aylan emendou de primeira, obrigando Júlio César a fazer milagre. O Fluminense começou a enfrentar dificuldades para superar o Papão, que trocava passes com acerto, tanto que o mesmo Pikachu, sozinho, só não fez porque tentou driblar o goleiro. A torcida tricolor chegou a vaiar.

A equipe carioca, que já havia perdido Wellington Silva por contusão, foi obrigada, por motivo semelhante, a voltar para a etapa final com Magno Alves no lugar de Fred. O Paysandu retornou fechado, mas bobeou aos 10, quando Gustavo Scarpa cruzou para ele, o Magnata, cabecear: 1 a 0. Mas o time paraense manteve a sua estratégia. Aos 26, o árbitro apitou falta inexistente de Édson em Carlinhos. Pikachu cobrou com muita categoria à esquerda: 1 a 1.

O Fluminense se complicou. Misael quase vira aos 33. Júlio César voltou a fazer grande defesa. Lucas Gomes substituiu um esgotado Ronaldinho Gaúcho. Aos 44, Aylon desviou de cabeça e o goleiro voltou a praticar intervenção espetacular. Aos 47, Renato apanhou a sobra da zaga e fuzilou: 2 a 1. O que valeu, enfim, foi bola na rede.

FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE 2 x 1 PAYSANDU

Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Data: 20/08/2015, 19h
Árbitro: Igor Junio Benevenuto (MG)
Assistentes: Eduardo Goncalves da Cruz (MS) e Celso Luiz da Silva (MG) 
Renda/Público: R$ 406.550,00 / 11.597 pagantes (13.523 presentes)
Cartões amarelos: Magno Alves e Edson (FLU). Ricardo Capanema, Jhonnatan, Gualberto, Misael, Yago Pikachu, Augusto Recife e Emerson (PAY).
Cartão vermelho: Não houve
Gols: Magno Alves 1-0 (9'/2ºT), Yago Pikachu 1-1 (26'/2ºT) e Renato 2-1 (47'/2ºT). 

FLUMINENSE: Júlio César, Wellington Silva (Renato, 29'/1ºT), Gum, Marlon e Gustavo Scarpa; Edson, Jean, Cícero, Marcos Júnior e Ronaldinho Gaúcho (Lucas Gomes, 25'/2ºT); Fred (Magno Alves - Intervalo). Técnico: Enderson Moreira.

Paysandu: Emerson, Yago Pikachu, Thiago Martins, Gualberto e João Lucas; Ricardo Capanema, Augusto Recife, Jhonnatan (Misael, 19'/2ºT) e Carlinhos (Paulo Otávio, 38'/2ºT; Aylon e Leandro Cearense (Betinho 43'/2ºT). Técnico: Dado Cavalcanti.