Matheus Dantas
04/01/2017
15:00
Rio de Janeiro (RJ)

A desgastante relação entre Fluminense e Dryworld já tornou-se uma novela. Com problemas no fornecimento do material esportivo e no pagamento dos valores acordados, o clube das Laranjeiras já negocia há meses a rescisão do contrato com a empresa, que deixou de passar ao Flu cerca de R$ 11 milhões.

De acordo com o presidente Pedro Abad, as tratativas pelo fim da parceria estão em estágio avançado, assim como as negociações por uma nova empresa fornecedora de material esportivo e por um patrocinador master.

- As tratativas estão mais avançadas. Estamos levando em conta diversos fatores, como o alcance da distribuição dos produtos para os nossos torcedores e a capacidade de fornecimento do material oficial para nossos jogos. A escolha deve ser feita com muito critério para que não gere os problemas que aconteceram anteriormente - afirmou Abad, antes de emendar:

- Esperamos resolver o novo patrocínio master o quanto antes. Esperamos definir a rescisão com a Dryworld e apresentar o novo fornecedor e patrocinador o mais rápido possível - disse o mandatário tricolor nesta quarta.

O presidente esteve ao lado de Fernando Veiga, VP de Futebol, e dos reforços equatorianos Jefferson Orejuela e Junior Sornoza, que foram apresentados no CT Pedro Antonio.

Pedro Abad também foi questionado sobre as obras do Centro de Treinamento e sobre o Estádio Giulite Coutinho. Confira as respostas do presidente abaixo.

Há alguma novidade quanto às obras do CT e o débito que o Fluminense tem com o Pedro Antonio?

As obras não estão paradas, como o próprio Pedro Antonio já afirmou. Estão apenas em um ritmo mais lento. Todos compromissos financeiros do Fluminense estão sendo reavaliados sob a ótica da nova direção, com o Pedro Antonio não será diferente. A obra continua e o compromisso financeiro está sendo readequado.

Como o Fluminense avalia a situação do Giulite Coutinho, após a queda de uma parte da cobertura do estádio no último sábado? Há alguma previsão de jogos lá?

Dado o ocorrido, nós mandamos um representante do clube para avaliação e estamos coletando o orçamento para tornar o local totalmente seguro para o torcedor novamente. Ainda não temos um orçamento pronto, mas até o fim de semana devemos ter. Vamos sentar com o América para tocar essa questão. Estamos avaliando outras alternativas, dentro do Rio de Janeiro, para o Fluminense mandar seus jogos enquanto o Giulite Coutinho não tiver condições. Os engenheiros estão fazendo laudos dos reparos que precisam ser feitos. É difícil dar um prazo, não quero gerar uma expectativa e frustrá-la depois.