Diego Cavalieri

Diego Cavalieri (Foto: Nelson Perez/Fluminense F.C.)

Matheus Dantas
18/01/2018
14:21
Rio de Janeiro (RJ)

Diego Cavalieri abriu o jogo. Um dos atletas dispensados pelo Fluminense no fim de 2017, o goleiro de 35 anos convocou uma entrevista e expôs toda sua insatisfação com a situação vivida nas últimas semanas. A maneira como foi comunicado e tratado pela diretoria foi o que mais magoou o camisa 12.

- Fui pego de surpresa pelo prazo que me deram. Isso que me deixou mais magoado. Faz parte do trabalho o clube não querer mais contar contigo. É normal. A data que foi difícil. Me mandaram uma mensagem, no dia 27, perguntando se alguém tomava conta das minhas coisas. Disse que era eu mesmo. Então me ligaram no dia 28 à tarde, o Marcelo Teixeira (diretor esportivo da base), dizendo que houve uma reunião no clube, que eu não fazia mais parte dos planos e que haveria uma reunião para assinar a rescisão - afirmou Cavalieri, que reforçou que não houve conversa por redução salarial:

- Eles colocaram isso depois, mas é mentira. Fui pego de surpresa. Já tinha feito o passaporte, visto para a viagem (Florida Cup)... Foi dessa maneira: mandaram um Whatsapp (mensagem) e ligação no dia seguinte para dizer que estava fora.

'Tem um sentimento ruim pela história, tempo e conduta no clube. Sempre fui profissional e isso faltou da parte deles. Sei que os responsáveis por isso foram o presidente e o Teixeira. Se tivessem avisado antes, jogado aberto, seria diferente. Sei quem foram os responsáveis. Com o clube e com a torcida, isso não abala em nada e a gratidão e o carinho que tenho', afirmou Diego Cavalieri.

Outros jogadores, como o meia Marquinho, também alegam que não foram procurados pelo clube, tendo ciência da dispensa via imprensa, após a publicação da nota no site do Fluminense. A diretoria tricolor, por outro lado, garante que todos os jogadores e seus empresários foram comunicados com antecedência.

A data em que foi dispensado dificulta também o reposicionamento de Diego no mercado nacional, já que os times já estavam se movimentando em busca de reforços. O goleiro disse que foi procurado após a notícia da dispensa, mas nenhuma proposta oficial chegou ao Diego Cavalieri.

- Na primeira semana teve muito contato de empresário, masa nada oficial. Os times têm excelentes goleiros, vai ser difícil uma oportunidade aparecer. Estou mantendo minha forma, agora é dar tempo. A maneira que aconteceu me deixou sem opção. É esperar e aguardar as oportunidades, mas tenho consciência de que pode demorar um pouco - afirmou o camisa 12 Diego Cavalieri, que disse preferir ficar no Rio de Janeiro por conta da família.

No Fluminense desde 2011, Diego Cavalieri era um dos nomes com mais tempo de casa e estava entre os atletas mais experientes e líderes do grupo no ano passado. Em sua passagem pelas Laranjeiras, o camisa 12 sempre teve sua postura profissional elogiada pelos treinadores que passaram pelo clube. Um dos destaques do time campeão brasileiro em 2012, o goleiro fez 317 jogos pelo Flu. Também conquistou o Carioca, em 2012, e a Primeira Liga, em 2016.

Em 28 de dezembro, o Flu divulgou uma lista de oito atletas dispensados. O movimento, de acordo com o comunicado, visou "reduzir a folha salarial de modo a que ela se adeque ao orçamento do clube e para cumprir com suas responsabilidades". O clube também desejou sorte na sequência das carreiras.

A dispensa, no entanto, gerou polêmica nas Laranjeiras. O zagueiro Henrique usou o conteúdo da própria nota oficial, além dos recorrentes atrasos salariais, para buscar na Justiça a rescisão contratual indireta. Após ter o pedido aceito, o zagueiro está livre para assinar com qualquer outro clube.

Diego Cavalieri também busca trilhar o mesmo caminho e já abriu processo contra o Fluminense na Justiça. O goleiro, que tem contrato até dezembro de 2019, não está disposto a abrir mão de seus vencimentos e, além da rescisão, cobra o pagamento integral de seus salários até o fim de seu vínculo.

Questionado se estaria disposto a conversar com a diretoria, caso fosse convidado, Diego Cavalieri foi claro: não há possibilidade enquanto o presidente Pedro Abad e o diretor Marcelo Teixeira estiveram no clube.

Para o goleiro, os dois foram os responsáveis pelas dispensas no fim de 2017.

- Eles foram diretos. Me ligaram e disseram que estava fora. Não tem chance de sentar e conversar, principalmente pelas pessoas que estão no comando. Já vêm cometendo muitos erros e com eles lá é difícil. A maneira que foi, o dia que foi, como me deixaram no mercado.. Não tem possibilidade - concluiu.

BATE-BOLA
DIEGO CAVALIERI

Já recebeu o que o Fluminense lhe deve?

Ainda não. Há débitos de salários na carteira e imagem, que vêm desde o ano passado. Até agora não recebi nada. É deixar correr na Justiça. Assim como todo elenco, tenho essa situação dos atrasados desde o ano passado.

Abel Braga entrou em contato com você após a dispensa?

Após o fato, Abel Braga me mandou mensagem. É um cara aberto, já trabalhamos desde 2011. Ele demonstrou a preocupação e chateação dele. Tivemos um diálogo direto e franco. Ele lamentou, disse que a decisão foi da diretoria, ele ficou chateado, temos um relacionamento bom, nos conhecemos desde 2011, é um cara franco, disse para continuar lutando da mesma maneira. nosso relacionamento é o mesmo. ele quis me dar um força e desejou sorte.

Por sua história no clube, esperava algum tipo de homenagem?

Como que vai esperar homenagem de uma pessoa que manda mensagem e depois liga dizendo que você está fora? Difícil. Vocês sabem que sou tranquilo e direto. Então, eu disse que meu advogado iria entrar em contato e resolver. Tudo de se tem uma maneira de conduzir, com ética e profissionalismo. Fico triste por tudo o que construí, mas saio tranquilo, de cabeça erguida. Não espero homenagem deles, a vida segue. Não posso parar agora.

Como está o processo na Justiça?

A questão com os advogados está rolando. Tenho que seguir minha vida, minha carreira... Vamos aguardar para ver o que acontece. 

Você teve algum outro contato com a diretoria desde o anúncio da dispensa?


Único contato foi na reapresentação, no CT, quando fui buscar minhas coisas. Com a diretoria, só com os advogados.

Não encontrou Pedro Abad nem Marcelo Teixeira no CT Pedro Antonio?


No dia da reapresentação, ele (presidente Pedro Abad) ainda tentou me cumprimentar como se nada tivesse acontecido. Eu não quis. Fica difícil, mas saio de cabeça erguida.