João Mércio Gomes
13/12/2017
08:45
Rio de Janeiro (RJ)

Quando assumiu o cargo de presidente do Fluminense, em dezembro do ano passado, Pedro Abad se deparou com uma condição financeira 'inacreditavelmente desastrosa'. A meta da temporada era arrumar a casa e diminuir as dívidas para que, em 2018, Abel Braga pudesse montar o elenco com mais opções. No entanto, os prejuízos ao longo do ano aumentaram e a estratégia será a mesma: cortar o máximo de gastos possíveis.

​No início do ano, a diretoria cogitava fazer duas ou três vendas grandes para Europa, de jogadores importantes, para aliviar o fluxo de caixa. As contusões de Douglas, Scarpa e Wellington frearam os planos. O único vendido foi Richarlison, por quase 50 milhões de reais - o Fluminense ficou com metade do valor, aproximadamente 23 milhões. Além disso, o clube ainda espera o acerto de Wendel com o PSG nas próximas semanas.

Outro fator que atrasa as pretensões tricolores é a falta de um patrocinador master. No início do ano, Abad não quis aceitar propostas baixas para não desvalorizar a camisa. Perto do fim do campeonato, devendo dois meses de salários aos atletas, cedeu. Parcerias pontuais, como a Universal Resorts e a Universidade Mackenzie, foram fechadas para o restante do ano.

​Por isso, antes de buscar jogadores no mercado, o Tricolor pretende se desfazer de atletas pouco aproveitados. Confira as prováveis saídas abaixo:

Renato
Reserva de Lucas ao longo da temporada, o lateral não teve contrato renovado nas Laranjeiras e já acertou seu destino para 2018. Ele vestirá a camisa do Ceará, que conquistou o acesso para a primeira divisão do ano que vem. Em seu lugar, a opção mais barata e rápida: Diogo, da base, sobe ao elenco profissional.

Empréstimos
Alguns nomes da base de Xerém e em baixa com Abel Braga podem ser emprestados ainda neste mês. Não custam caro, mas qualquer alívio é necessário. O atacante Peu, que não marcou gols no ano, está de malas prontas para fechar com o Paysandu. O zagueiro Nogueira perdeu espaço e está na mira do Figueirense. O lateral Mascarenhas e o meia Danielzinho não estão nos planos do treinador e disputarão o Paulista de 2018 pelo Botafogo-SP

Orejuela
Caso diferente, já que sua iminente saída seria por questões familiares. O retorno ao país de origem, provavelmente à LDU por empréstimo, também alivia a folha salarial já que os vencimentos seriam pagos pelos equatorianos. Porém, o técnico ainda contava com o atleta para 2018 e, sem muitas opções na posição, haveria a necessidade de reposição

Perto do fim
Além de Renato e Michael, que já se despediram, outros quatro atletas têm contrato somente até o fim deste mês: Pierre, Lucas, Marlon, Matheus Phillipe. Os dois primeiros, com idade avançada, não devem permanecer. O volante não é aproveitado pelo treinador e o lateral, titular, caiu de rendimento no fim da temporada. Marlon e o goleiro ainda negociam renovação