Marquinho - Fluminense

Marquinho veste a camisa 7 no Fluminense (Foto: Nelson Perez/ Fluminense F.C.)

Matheus Dantas
07/02/2017
16:31
Rio de Janeiro (RJ)

Em sua segunda passagem pelas Laranjeiras, Marquinho é um dos jogadores mais identificados com a torcida do atual elenco. O meia, que trabalhou com Abel Braga entre 2010 e 2011, afirma que o Fluminense está reencontrando o espírito guerreiro que marcou a equipe nas últimas temporadas vitoriosas.

A "recuperação da alma" foi uma das promessas feitas por Abel Braga em sua apresentação, ainda em dezembro. Marquinho, no entanto, não credita a mudança na postura do time apenas ao treinador, apesar de reconhecer a importância do comandante.

- O grupo mudou apenas algumas peças do (setor ofensivo) em relação ao ano passado, mas mudou a gestão, a comissão técnica... Um monte de coisa. Mas principalmente mudou o espírito. Estamos voltando a ser o Time de Guerreiros, que não desiste nunca, que não deixa se abater pelas derrotas - comentou.

No bom início do Fluminense em 2017 - são quatro vitórias, 10 gols marcados e dois sofridos - Marquinho tendo sido o 12º jogador de Abel Braga. Reserva, o meia entrou em três jogos e fez um gol - contra o Criciúma, na Primeira Liga.

Na visão do camisa 7, o elenco tem a responsabilidade deixar para trás o péssimo momento vivido pelo Fluminense na reta final da última temporada.

- Foi vergonhoso o que aconteceu ano passado. Um constrangimento para a gente e para a torcida. Ficamos sem vencer dez jogos e podíamos ir para a Libertadores. Foi uma coisa que ninguém merecia. Acho justo começar esse ano com um pensamento diferente, uma ambição bem maior. É isso que o Abel vem colocando na nossa cabeça, que a gente tem que ser ambicioso, buscar voos maiores, é por isso que vem dando tudo certo