Wellington Nem visita o elenco do Fluminense (Foto: Nelson Perez/Fluminense F.C.)

Wellington Nem visitou os jogadores do Flu nos Estados Unidos (Foto: Nelson Perez/Fluminense F.C.)

Pedro Barboza
24/01/2016
08:45
Rio de Janeiro (RJ)

Foram longos meses de trocas de e-mails, ligações, uso de Whatsapp (aplicativo de mensagens instantâneos) e alguns encontros – durante a Florida Cup – entre a cúpula do Fluminense e membros da diretoria do Shakhtar Donetsk. O assunto era Wellington Nem. Mas o torcedor ainda precisará esperar mais alguns dias para poder ver o meia-atacante, cria de Xerém, vestindo novamente a camisa do Tricolor.

Isso porque alguns detalhes ainda precisam ser tratados nos próximos dias para que Nem, enfim, seja um dos principais homens do técnico Eduardo Baptista, ao lado de Fred, Diego Souza e do experiente Henrique, no Fluminense.

Mas como todo investimento, a transação é vista com grau de risco elevado. O reforço não vem tendo grandes atuações na equipe ucraniana e passou boa parte desta temporada entre os reservas. Além disso, o Fluminense pode abrir as portas para a saída de uma grande aposta das categorias de base, o jovem Danielzinho.

O meia de 20 anos foi uma das opções colocadas à mesa pelo Tricolor para um acerto por Nem. Na Florida Cup, o jogador foi observado de perto pelo técnico Mircea Lucescu, do Shakhtar, que autorizou o prosseguimento das tratativas.
O aval do comandante ucraniano animou ainda mais Wellington Nem, que se mostrou bastante satisfeito com a força feitas pelos dirigentes brasileiros para tentar a repatriação por empréstimo.

– Estou muito contente com o esforço do Fluminense. Estou fazendo de tudo para voltar logo. Se fosse por mim, já estaria treinando. Acho que essa semana sai (o acerto com o Shakhtar). A coisa está caminhando bem. Faltam alguns detalhes – disse Nem, recentemente à Rádio Tupi.