Magno Alves (Foto: Nelson Perez/Fluminense)

Magno Alves é o mais velho a fazer gols e a vestir a camisa do Tricolor (Foto: Nelson Perez/Fluminense)

Patrick Monteiro e Vinícius Britto
04/03/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Magno Alves salvou o Fluminense de um novo tropeço no Campeonato Carioca, na quarta-feira, ao marcar aos 41 minutos da etapa final e garantir a vitória (2 a 1) sobre o Friburguense, no Estádio Eduardo Guinle, em Nova Friburgo. O gol deixou o Tricolor praticamente com a vaga assegurada na segunda fase do Estadual. Na pré-temporada, ele fez parecido: anotou aos 36 e evitou a derrota para o Shakhtar (Ucrânia) nos Estados Unidos. Embora não venha sendo escolhido para substituir Fred quando necessário, o atacante de 40 anos está mostrando que ainda pode ajudar o Tricolor.

– Fico feliz com o gol, após dois jogos sem ser relacionado. Foi uma noite especial para mim - disse ele, referindo-se ao último duelo.

No ano passado, contra o Paysandu, no Maracanã, pela Copa do Brasil, ele se tornou o atleta mais velho a balançar as redes com a camisa do clube. Agora, com a atuação diante do Friburguense, passou a ser também o de mais idade a entrar em campo defendendo o time das Laranjeiras.

Aos 40 anos, o baiano de Aporá acumula 293 jogos pelo Fluminense, que resultaram em 117 gols – está a dois de Ézio, décimo na lista dos goleadores do clube. Quase todos eles foram feitos na primeira passagem pelas Laranjeiras.

Em 1998, ele desembarcou no Rio de Janeiro após defender mais recentemente o Criciúma. O "Magnata", como ficou conhecido, encontrou o Tricolor em uma situação nada favorável: vivendo o drama do rebaixamento para a Terceira Divisão do futebol brasileiro. No ano seguinte, com ótima média de gols, terminou o torneio como artilheiro e ajudou a recolocar a equipe de volta ao primeiro escalão nacional.

Ainda faturou o status de maior goleador do Brasileirão de 2000 e o título do Carioca-2002, antes de passar uma longa temporada longe do Brasil. O retorno ao Flu só ocorreu no ano passado, creditado pelo bom desempenho de quase três anos no Ceará.

'Parceria' com Marcão

A mesma passagem que projetou Magno Alves também possibilitou uma parceria que voltou a ser editada em 2015. Volante do Fluminense nos anos 1990 e 2000, Marcão atuou ao lado do atacante. Agora, comanda o Tricolor de forma interina, enquanto o Magnata segue “aprontando” dentro de campo.

– Como jogador, jogamos um bom tempo juntos e agora tenho esse privilégio. Creio que, em um futuro próximo, ele se tornará um treinador. Ainda mais se tratando desse jogo. Depois de duas derrotas consecutivas, nada melhor do que vencermos. Parabenizar toda a equipe – disse o camisa 20, que espera resultados melhores do time na próxima fase do Estadual.

– Venho trabalhando para isso. Sabemos que não vínhamos bem. Ontem (quarta-feira) foi diferente. Mesmo com falhas, até porque ninguém é perfeito. Mas fomos aguerridos. Tem que ter continuidade, não pode ficar nessa oscilação. Temos que vencer para entrar nessa fase bem motivados – observou.

Domingo, o Flu enfrenta o América, com a vaga bem encaminhada. A tendência é que Marcão siga até lá. E Magno Alves espera contribuir mais uma vez.