Wallace, zagueiro do Flamengo (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

Wallace concedeu entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira, na Gávea (Foto: Gilvan de Souza / Flamengo)

João Matheus Ferreira
04/02/2016
17:56
Rio de Janeiro (RJ)

Depois de abrir o caminho para a vitória do Flamengo sobre o Macaé, na quarta à noite, pela segunda rodada do Campeonato Carioca, o zagueiro Wallace quebrou o silêncio e concedeu entrevista coletiva pela primeira vez em 2016. Calmo e sereno, o camisa 14 deixou claro que entende o lado da torcida - que o vaiou nos primeiros jogos da temporada e xingou após o empate com o Boavista, sábado - mas admitiu que não é tão fácil lidar com a situação.

- Normal, cara. Torcedor tem direito de se manifestar, mas não é fácil lidar com isso, até porque eu sou ser humano. Entendo o lado do torcedor, que tem o direito de se manifestar. E eu como atleta tenho que treinar muito mais do que treinava nos anos anteriores para reverter esse quadro. É preciso ter paciência para que as coisas voltem ao normal - comentou o capitão rubro-negro.

Wallace também fez questão de explicar que o fato de não ter comemorado o gol contra o Macaé não foi uma represália às vaias. Segundo o zagueiro, essa é uma característica dele. Novamente, deixou claro que entende a torcida e ressaltou que não foi a primeira e nem deve ser a última vez que é vaiado.

- Não teve. Até circulou na imprensa que eu falei que não ia comemorar, mas não teve nada disso. Foi até meio maquiavélico, mas eu entendo. Não tenho mágoa, nem nada disso. Torcedor é passional e paixão é isso. Vaia, aplaude... Estou tranquilo em relação a isso. Não fui vaiado pela primeira vez. Já deve ter sido a 15ª ou 16ª vez (risos). Claro que ninguém gosta, mas não teve nenhuma mágoa, nem ressentimento - disse o capitão do Flamengo.

Entendo o lado do torcedor, que tem o direito de se manifestar. E eu como atleta tenho que treinar muito mais


Titular absoluto e elogiado pelo técnico Muricy Ramalho neste início de ano - embora a diretoria siga à procura de um nome de peso para a zaga - Wallace também fez uma autoavaliação dos cinco primeiros jogos na temporada.

- Regular, não teve nada de excepcional. Foi como nas temporadas passadas. Então não tenho nada o que ressaltar - comentou o defensor.

Capitão do Flamengo desde a saída de Léo Moura, no início do ano passado, Wallace chegou ao Rubro-Negro no início de 2013 e já disputou 159 jogos pelo clube, boa parte deles como titular, e marcou sete gols. O último contra o Macaé, após tabelar com Juan e mandar para as redes com faro de artilheiro.