Wallace (Foto: Divulgação / Gilvan de Souza / Flamengo)
Paulo Victor Reis e Roberto Veloso
28/03/2016
13:33
Rio de Janeiro (RJ)

Capitão do Flamengo, o zagueiro Wallace foi o escolhido para conceder entrevista coletiva nesta segunda-feira, no clube. O jogador falou com a imprensa pouco depois da invasão de um grupo de torcedores ao Ninho do Urubu, em Vargem Grande, Zona Oeste do Rio. Ele comentou que os invasores conversaram com um grupo de cinco atletas, mas que não houve agressões físicas ou verbais. O defensor se mostrou nitidamente incomodado com o episódio.

- Nós conversamos, eles acabaram invadindo o CT. Foi uma posição deles. O clube já tomou providência, não houve nada de relevante. Isso não é normal, mas este tipo de comportamento tem sido corriqueiro no Brasil. Ninguém gosta de ser intimidado, ninguém gosta que invada sua casa. Mas paciência, é assim no nosso futebol, vida que segue - analisou o zagueiro.


Wallace foi um dos cinco jogadores que inicialmente conversaram com os membros de torcidas organizadas do Flamengo. Com o passar do tempo, os demais jogadores acompanharam tudo de perto. O defensor se mostrou contrariado com a invasão em determinado ponto da entrevista coletiva.

- Se alguém da diretoria ou o Rodrigo (Caetano) achou viável eles (torcedores) permanecerem aqui, o que podemos fazer? Se vencermos sábado ou domingo, não é porque houve invasão, mas por causa do nosso desempenho - comentou.


Perguntado se gostaria de fazer algum apelo à torcida para evitar problemas ainda maiores, o zagueiro rubro-negro foi claro e direto.

- Não quero fazer nenhum tipo de apelo. Ninguém vai agredir ninguém. Pelo o que conversei com eles, não tem essa questão de agressão. Se eles entenderem que vai chegar a esse ponto (agressão), vai virar caso de polícia - finalizou.