icons.title signature.placeholder Pedro Barboza
icons.title signature.placeholder Pedro Barboza
25/08/2015
09:31

A proximidade dos 40 anos é sinal de fim de carreira para muitos jogadores. Mas esse não parece ser o problema para Emerson Sheik que, com a camisa do Flamengo, vem sendo uma das peças mais importantes da equipe no auge dos 36 anos. Não bastasse isso, o jogador, que completa mais uma primavera no Fla-Flu, no próximo dia 6, tem performance de causar inveja a qualquer jovem atleta.


Atacante atuou em 13 jogos do Flamengo (Foto: Paulo Sérgio/LANCE!Press)

Desde que retornou ao Flamengo, no meio do ano, Sheik disputou 13 partidas, e esteve em campo nos 1170 minutos possíveis (sem contar os acréscimos das partidas). A única ausência, portanto, se deu por conta da suspensão pelo terceiro cartão amarelo no Brasileirão. E uma das explicações para que isso aconteça, além do fator genético, é que o jogador está sempre acima da média no índice de fadiga muscular.

Uma das peças da comissão técnica responsáveis por fazer com que o jogador consiga desempenhar o máximo do rendimento em campo, o fisiologista Cláudio Pavanelli, destacou alguns fatores para que Sheik venha se destacando mesmo com a idade avançada. A inteligência é uma das virtudes mais exaltadas.

– Falar de atleta de alto rendimento, com mais idade, a primeira coisa que lembramos é a genética. No caso especifico do Sheik é que ele identifica bem o momento do jogo, se poupa nos momentos certos, mas em momentos cruciais, onde pode estar jogando sem a bola, ou uma jogada se desenhando, ele pensa e sempre é intenso, sempre muito intenso e isso facilita muito. É isso que o futebol precisa. De uma movimentação grande nestes momento cruciais, mesmo que não participe diretamente, mas onde esteja envolvido. É fundamental – destacou o fisiologista, que ainda elogiou o comprometimento do atacante rubro-negro para que os resultados apareçam:

– O Emerson se preocupa muito na recuperação, pois em todas as atividades que fazemos, treinos, pós-jogo, qualquer uma delas, onde tentamos enfatizar uma recuperação mais acelerada, com qualidade, está sempre fazendo estes trabalhos, sempre bem disposto para acelerar este processo.


Sheik passou em branco contra o São Paulo (Foto: Wagner Meier/Lancepress!)

ESPELHO NO GRUPO

Um dos mais experientes do elenco rubro-negro, Sheik vem cativando os mais novos não só com o seu jeito irreverente de ser. As atuações do atacante com a camisa do Flamengo vêm sendo muito comentadas pelos companheiros de clube, principalmente no jogo conra o São Paulo, no Maracanã. De acordo com o meia Ederson, recém-chegado ao clube, Sheik é um exemplo a ser seguido, um espelho para muitos jogadores.

– Apelido a gente ainda não deu, não. Mas comentamos sempre no vestiário que é admiável o que ele faz em campo. No fim desse jogo – contra o São Paulo – falei para ele: “Cara, você é um exemplo não só para mim, mas para todos, pois chegar na idade que você tem e correndo desse jeito, estou feliz demais.” É um espelho para mim, e com certeza para muito outros jogadores – afirmou o camisa 10 rubro-negro.

A proximidade dos 40 anos é sinal de fim de carreira para muitos jogadores. Mas esse não parece ser o problema para Emerson Sheik que, com a camisa do Flamengo, vem sendo uma das peças mais importantes da equipe no auge dos 36 anos. Não bastasse isso, o jogador, que completa mais uma primavera no Fla-Flu, no próximo dia 6, tem performance de causar inveja a qualquer jovem atleta.


Atacante atuou em 13 jogos do Flamengo (Foto: Paulo Sérgio/LANCE!Press)

Desde que retornou ao Flamengo, no meio do ano, Sheik disputou 13 partidas, e esteve em campo nos 1170 minutos possíveis (sem contar os acréscimos das partidas). A única ausência, portanto, se deu por conta da suspensão pelo terceiro cartão amarelo no Brasileirão. E uma das explicações para que isso aconteça, além do fator genético, é que o jogador está sempre acima da média no índice de fadiga muscular.

Uma das peças da comissão técnica responsáveis por fazer com que o jogador consiga desempenhar o máximo do rendimento em campo, o fisiologista Cláudio Pavanelli, destacou alguns fatores para que Sheik venha se destacando mesmo com a idade avançada. A inteligência é uma das virtudes mais exaltadas.

– Falar de atleta de alto rendimento, com mais idade, a primeira coisa que lembramos é a genética. No caso especifico do Sheik é que ele identifica bem o momento do jogo, se poupa nos momentos certos, mas em momentos cruciais, onde pode estar jogando sem a bola, ou uma jogada se desenhando, ele pensa e sempre é intenso, sempre muito intenso e isso facilita muito. É isso que o futebol precisa. De uma movimentação grande nestes momento cruciais, mesmo que não participe diretamente, mas onde esteja envolvido. É fundamental – destacou o fisiologista, que ainda elogiou o comprometimento do atacante rubro-negro para que os resultados apareçam:

– O Emerson se preocupa muito na recuperação, pois em todas as atividades que fazemos, treinos, pós-jogo, qualquer uma delas, onde tentamos enfatizar uma recuperação mais acelerada, com qualidade, está sempre fazendo estes trabalhos, sempre bem disposto para acelerar este processo.


Sheik passou em branco contra o São Paulo (Foto: Wagner Meier/Lancepress!)

ESPELHO NO GRUPO

Um dos mais experientes do elenco rubro-negro, Sheik vem cativando os mais novos não só com o seu jeito irreverente de ser. As atuações do atacante com a camisa do Flamengo vêm sendo muito comentadas pelos companheiros de clube, principalmente no jogo conra o São Paulo, no Maracanã. De acordo com o meia Ederson, recém-chegado ao clube, Sheik é um exemplo a ser seguido, um espelho para muitos jogadores.

– Apelido a gente ainda não deu, não. Mas comentamos sempre no vestiário que é admiável o que ele faz em campo. No fim desse jogo – contra o São Paulo – falei para ele: “Cara, você é um exemplo não só para mim, mas para todos, pois chegar na idade que você tem e correndo desse jeito, estou feliz demais.” É um espelho para mim, e com certeza para muito outros jogadores – afirmou o camisa 10 rubro-negro.