HOME - Treino do Flamengo em Mangaratiba - Marcelo Cirino (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Marcelo Cirino já marcou dois gols em 2016, contra Ceará e Macaé (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

LANCE!
08/02/2016
08:00

Marcelo Cirino é, sem dúvida alguma, um dos grandes nomes do Flamengo neste início de temporada. Seja com passes ou finalizações, o atacante teve participação ativa em boa parte dos gols do Rubro-Negro nos quatro jogos que disputou até agora. Elogiado por Muricy Ramalho, o camisa 7 mostra que o pedido do treinador pela permanência dele, no fim do ano passado, foi a atitude correta.

Isso porque Cirino estava com um pé fora do Flamengo após a turbulenta temporada de 2015, quando começou muito bem, mas caiu de produção no segundo semestre após duas lesões em sequência e alguns excessos na vida pessoal. Parte da diretoria queria negociá-lo, embora o contrato dele vá até o fim do ano que vem. O treinador bateu o pé e disse que o atacante estava nos planos, pois confiava no potencial dele.

A partir daí, o diretor executivo de futebol Rodrigo Caetano conversou com o empresário do atleta, Pablo Miranda, e ficou confirmada a permanência do camisa 7. Também foram discutidas algumas atitudes que poderiam ser feitas para que o fator extra-campo não influenciasse o atacante. Não é à toa que ele é um dos únicos jogadores do time titular que ainda não concedeu entrevistas coletivas nesta temporada, apesar do bom desempenho dentro de campo.

Até agora, Cirino disputou quatro jogos em 2016. No primeiro, entrou após o intervalo contra o Ceará. Com ele, o time cresceu e conseguiu virar a partida amistosa – mas levou o empate no fim. Um dos gols foi dele. Diante do Atlético-MG, pela Primeira Liga, jogou o mesmo tempo que antes. Foi dele a assistência para o gol de Guerrero, que abriu o caminho para a vitória rubro-negra. Por fim, nas duas partidas do Campeonato Carioca, foi titular e teve participação ativa nas jogadas ofensivas. Na vitória sobre o Macaé, marcou o segundo gol. Tudo isso deixa o atacante bastante empolgado para a temporada que acabara de começar.

- Fico feliz por isso. Nunca deixei de trabalhar e honrar a camisa do Flamengo. Fico feliz em poder ajudar – disse, após a vitória sobre o Macaé.

TRABALHO ESPECIAL NA GÁVEA
​A boa fase que Cirino vive em 2016 começou com um grande trabalho na parte fisiológica do jogador no início da temporada. Após passar por uma artroscopia no joelho direito no último trimestre do ano passado, ele se reapresentou com desequilíbrio muscular. Como o clube investiu pesado nesta área – com a criação de um centro de excelência para a saúde dos atletas –, ele só foi liberado para trabalhar com bola quando nivelou a força das pernas, algo que evita consideravelmente a possibilidade de lesões.

A partir de então, o camisa 7 começou, depois dos demais, a treinar no campo. Iniciou um trabalho físico antes de trabalhar com bola e, quando esteve apto, já foi alçado pelo técnico Muricy Ramalho entre os titulares. Mas como ainda não estava 100%, a comissão técnica optou por deixá-lo no banco de reservas no amistoso contra o Ceará e na partida contra o Atlético-MG, pela Primeira Liga, e poupá-lo do outro amistoso, diante do Santa Cruz.
Mesmo tendo jogado, agora, com boa frequência, ele ainda passa por um trabalho especial, principalmente no dia após as partidas.