HOME - Ceará x Flamengo -Taça Asa Branca - Muricy Ramalho (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

HOME - Ceará x Flamengo -Taça Asa Branca - Muricy Ramalho (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

João Matheus Ferreira
22/01/2016
09:30
Rio de Janeiro (RJ)

A atuação do Flamengo no primeiro tempo da partida contra o Ceará tem que servir como exemplo do que não se deve fazer em 2016. Afinal, o Rubro-Negro fez exatamente o oposto daquilo que o técnico Muricy Ramalho orientou durante a pré-temporada: jogou de forma espaçada, errou passes no meio de campo e ficou em desvantagem na defesa por diversas vezes. Não à toa, levou um gol e poderia ter sofrido mais do bem armado Ceará.

Em linhas simples, o Rubro-Negro jogou da seguinte forma na etapa inicial: Wallace, Márcio Araújo e Juan trocavam passes na zaga e ficavam sem opções na saída de bola, já que todos os demais estavam mais avançados. Nas poucas vezes que conseguia avançar, errava passes e dava o contra-ataque ao Ceará, que marcava com duas eficientes linhas de quatro atletas. Por conta disso, o goleiro Everton quase não trabalhou no primeiro tempo.

Com as mudanças no intervalo - permaneceram apenas Paulo Victor, Wallace, Emerson e Guerrero - o Flamengo voltou melhor, embora tenha se beneficiado com a total modificação do Ceará, que substituiu os onze. No entanto, o gol sofrido nos primeiros minutos - em posição duvidosa - não desanimou o Rubro-Negro. Melhor posicionado, com mais qualidade no passe no meio de campo - após as entradas de Canteros e Mancuello - e a boa opção ofensiva com Marcelo Cirino, o time de Muricy Ramalho evoluiu. 

Mais do que ter crescido na partida, o Flamengo deixou ainda mais claro o que estava errado no primeiro tempo. Os "reservas" Canteros, Mancuello, Alan Patrick e Marcelo Cirino se saíram melhor do que os "titulares" Márcio Araújo, Willian Arão, Everton e Gabriel. Naturalmente, a saída de bola melhorou e os erros de passe foram menos constantes. Resta, ainda, evoluir na marcação. O 4-1-4-1 compactado que Muricy deseja não encaixou.

Em suma, apesar da derrota nos pênaltis, o amistoso com o Ceará foi bom para observação, algo que é fundamental na pré-temporada. O Flamengo ainda tem muito a melhorar na parte tática. Isto é, encaixar a compactação, tanto na defesa quanto no ataque, melhorar a saída de bola e caprichar mais no passe. Além disso, a defesa ainda precisa de sérios ajustes. Wallace, Juan e Cesar Martins bateram cabeça em certos momentos da partida e perdeu na velocidade em boa parte das jogadas.

De bom, ficam as boas entradas de Mancuello e Marcelo Cirino e a evolução ofensiva no segundo tempo, tanto é que o Rubro-Negro marcou três vezes e ainda criou outras oportunidades. Antes da estreia no Campeonato Carioca, o Flamengo ainda tem mais duas partidas de laboratório: o amistoso contra o Santa Cruz, domingo, na Arena Pernambuco, e a estreia na Primeira Liga, quarta que vem, contra o Atlético-MG, no Mineirão. Bom para fazer ajustes.