Embarque do Flamengo

Chance de desvalorização de atletas e erro de postura da diretoria foram apontados pelos colunistas (Foto: Reprodução / Twitter)

RADAR / LANCE!
05/11/2015
12:16
Rio de Janeiro (RJ)

A decisão da diretoria do Flamengo em reintegrar os jogadores afastados por participarem de uma festa no meio de semana rendeu debates entre os rubro-negros. Enquanto Pará, Alan Patrick, Everton, Paulinho e Marcelo Cirino retomam sua rotina de atividades sob o comando de Oswaldo de Oliveira, o LANCE! traz a opinião de seus colunistas sobre o "perdão" ao quinteto.

Incertezas sobre a postura da cúpula do Fla no assunto e análise sobre a possibilidade de escalá-los na partida contra o Goiás, neste domingo, às 17h, no Maracanã, pela 34ª rodada do Brasileirão, são apontadas. Confira!

ROBERTO ASSAF
A opção por reintegrar os jogadores ao elenco seria o caminho natural para a diretoria do Flamengo tomar. Além de os atletas estarem de folga quando a festa ocorreu, deixá-los afastados faria com o que perdessem a forma às vésperas do fim de temporada. Isto causaria uma desvalorização deles no mercado em época de negociação.

Não vejo nada de mal em escalar estes jogadores na próxima partida, afinal, devem estar em boas condições de jogo. Porém, o Flamengo tinha de começar o ano de 2016 com diretoria nova.

ALVARO OLIVEIRA FILHO

​A impressão que este episódio passa é de que o assunto foi mal conduzido pela diretoria. A cúpula do Flamengo precisava ter conversado com os jogadores para esclarecer a polêmica da festa, antes de precisar voltar atrás por tomar uma decisão intempestiva.

Porém, este episódio é o de menor proporção em uma gestão marcada pelos erros nas tomadas de decisões. Tanto que, se estiverem aptos a jogar, não vejo problema em escalar os atletas no fim de semana.

O problema é que o Flamengo precisa definir, de fato, sua filosofia, o perfil de jogadores que quer a partir da próxima temporada. Ao que tudo indica, boa parte dos "perdoados" não interessa ao clube para o ano que vem, por exemplo.