Paulo Victos Reis
29/01/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

Sem o Maracanã e o Estádio Nilton Santos, o Flamengo teve de se virar para arranjar uma casa neste Campeonato Carioca. Hoje, o Rubro-Negro estreia na competição, diante do Boavista, às 19h30, no modesto Giulite Coutinho, localizado no município de Mesquita, na Baixada Fluminense. O estádio atende bem às demandas do América, dono da estrutura, mas está longe de ser o palco ideal para o Rubro-Negro. A reportagem do LANCE! esteve no local e deu uma conferida no “quebra-galho”.

Aparentemente, o gramado não está nas melhores condições, uma realidade bem distante de grandes estádios do futebol nacional, como por exemplo o Maracanã. O zagueiro Fábio Braz, ex-Vasco, hoje com 37 anos, defende o América e treina diariamente no local. Ele até brincou ao falar sobre o campo, dando uma dica para os atletas do Fla.

– Podem esperar um campo bem pesado, ainda mais depois de uma chuva, quando a grama fica mais pesada. O campo fica encharcado. Então, venham com as pernas bem descansadinhas porque vão encontrar campo grande e bem pesado. Se não tocar a bola, é bem provável de abrir a boca e não aguentar até o fim do jogo (risos) – disse o defensor.

A rua principal que dá acesso ao estádio, a Cosmorama, parece estreita para receber grandes públicos, pois tem só duas faixas – em mão dupla. O entorno já viveu dias melhores e tem mato crescendo próximo à entrada da imprensa. É bom lembrar, porém, que o América tem todos os laudos para receber jogos. O público máximo permitido é 9.998.

Apesar dos problemas, a boa receptividade do povo da Baixada é um grande atrativo. O caráter popular da região tem um pouco do DNA rubro-negro. Agora, é só rolar a bola.

COMERCIANTES VIBRAM COM RETORNO DO FLAMENGO
Dono da maior torcida do Rio e do Brasil, o Flamengo sempre atrai um bom número de pessoas aos jogos. Pensando nisso, os comerciantes do entorno do Giulite Coutinho estão muito animados. Um deles, o botafoguense Pedro Paulo Carneiro Alexandrino gostou da visita do rival.

– Aumenta o movimento. Para mim é show de bola, independentemente de qualquer coisa – diz o alvinegro.

Apesar de festejarem a presença do Fla, moradores e comerciantes têm preocupações. Uma delas diz respeito à segurança, já que há receio de brigas de torcidas organizadas nas ruas do entorno do estádio. A Polícia Militar vai atuar com 150 homens.

HERÓI EM 2004 ELOGIA 'ALCAPÃO'
Um dos principais nomes do América no Carioca é o atacante Jean, formado no Flamengo. Em 2004, ele foi o herói rubro-negro na conquista do título Estadual, com três gols na decisão, em vitória de 3 a 1 sobre o Vasco. Agora aos 33 anos e com muita bagagem no futebol, ele aprova a nova "casa" do clube da Gávea para o Estadual:

- O América tem um estádio muito bom. Já joguei aqui pelo Flamengo, no início da carreira, e gostei. Onde o Flamengo vai, sempre tem muitos torcedores, por isso é o Flamengo. Aqui os torcedores vão comparecer.