Eduardo Bandeira de Mello

Eduardo Bandeira de Mello recebe apoio de Conselhos do Fla (foto: Wagner Meier)

LANCE!
06/05/2016
17:17
Rio de Janeiro (RJ)

O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, vem recebendo críticas por aceitar chefiar a delegação da Seleção Brasileira na Copa América. O próprio mandatário rubro-negro disse ter ficado surpreso com o convite. No entanto, nesta sexta-feira, os conselhos Deliberativo e de Administração do clube da Gávea publicaram uma nota conjunta, na qual manifestam apoio a Bandeira.

Os órgãos lembram que presidentes de outros clubes já chefiaram delegações da Seleção e comentam que o Flamengo não pode ficar 'entrincheirado'.

Em entrevista ao LANCE!, Bandeira de Mello disse que suas posições em relação à CBF não vão mudar por causa deste convite para chefiar a delegação da Seleção.

- Independente das ideias e diferentes princípios de valores, temos que participar conforme os instrumentos colocados à disposição. Se fomos convidados a participar, nós vamos participar. Se o grupo de trabalho não virar realidade, aí sim nós vamos criticar como sempre criticamos, e não vai ser o fato de ser representante e chefe da delegação que a CBF não vai mudar o que a gente pensa - comentou o dirigente.

Confira trecho da nota publicada pelos conselhos do Flamengo:

'Bandeira foi convidado para chefiar a delegação, nos parece mais um sinal de que a CBF está se aproximando dos clubes e de suas aspirações, que inverso.

Ademais, o Flamengo é um ente político que circula no cenário nacional do Futebol e, como protagonista que é, tem que se relacionar com Confederações, Federações e seus Tribunais, que são poderes juridicamente constituídos.

O debate e a luta por mudanças e melhorias não serão, evidentemente, prejudicados por uma mera chefia de delegação.

Portanto, em nossa opinião, a participação dele nessa competição não traz qualquer dano ou demérito ao nosso clube, nem as nossas pretensões, mas apenas traduz um reconhecimento ao bom trabalho desempenhado por Bandeira de Mello, o que, na verdade, nos honra.'