João Matheus Ferreira
22/02/2016
09:00
Enviado especial a Brasília (DF)

O Flamengo já tem data para retornar ao Ninho do Urubu: dia 1º de março, terça-feira que vem, dia seguinte à provável folga que vai suceder a partida contra o Resende, domingo, no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda. Até lá, os treinos serão realizados na Gávea, sede rubro-negra, que recebe todas as atividades desde o início da temporada. A confirmação foi feita pelo diretor executivo de futebol Rodrigo Caetano após a vitória sobre o Fluminense.

- Dia 29 iremos já para iniciar as atividades no dia 1º, quando teremos uma semana chamada "semana cheia" de treinamentos - comentou o dirigente.

Outro assunto abordado pelo dirigente na rápida conversa no Mané Garrincha foi a indefinição sobre o estádio que o Flamengo vai definir como casa neste ano. Após o clássico, o técnico Muricy Ramalho cobrou do presidente Eduardo Bandeira de Mello, que estava na sala de imprensa, uma definição sobre o tema. Caetano lamentou o fechamento do Maracanã e admitiu que não há nada concreto sobre o assunto, que também leva em conta a parte financeira.

- Não temos ainda isso definido, mas o desejo do Muricy é o mesmo que o nosso. O desejo inicial, na verdade, era que tivéssemos o Maracanã, que é a casa do Flamengo. Mas, como não temos essa possibilidade, não dá para elegermos apenas o aspecto financeiro, óbvio, até porque o Flamengo é um clube de futebol, depende dos resultados, e nós montamos uma equipe para brigar pelo título do Campeonato Brasileiro. E isso vai ser um adversário a mais. É importante até o torcedor compreender. Vamos tentar equilibrar: cumprir o orçamento e a nossa missão no Brasileiro. Apesar de termos que jogar algumas partidas fora do Rio, a sugestão é de definirmos um estádio para abrigar um número maior de jogos. Isso é bom até para a rotina, que é fundamental hoje no futebol - disse o dirigente rubro-negro.

Em tese, o Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, já elogiado por Muricy, é o caminho mais viável para o Flamengo. Caetano, entretanto, prefere não confirmar e novamente diz que ainda não está nada definido sobre o assunto.

- Talvez de equilibrar algumas coisas. Sabemos que é um estádio em perfeitas condições, mas também tem a questão do que o Flamengo deixaria de arrecadar. É uma questão que envolve questão financeira que muitas vezes se sobrepõe a mim e ao Muricy. Vamos decidir o que será melhor no aspecto esportivo e financeiro, mas já sabendo que os prejuízos virão, não tenha a menor dúvida. Por isso a gente lamenta tanto sempre que pode - finalizou.

Em um mês de temporada, o Flamengo já jogou cinco vezes fora do Rio de Janeiro (Ceará, Pernambuco, Minas Gerais, Espírito Santo e Distrito Federal) e duas em cidades cariocas, mas distantes da capita: Volta Redonda e Macaé. Nesta semana, o clube retorna às duas. Na quarta, enfrenta a Cabofriense, no Moacyrzão, Macaé. Já no domingo, encara o Resende, em Volta Redonda.