feiticeiro técnico do Flamengo

Manuel Agustín Fleitas Solich comandou o Fla na década de 50 (Foto: Divulgação)

Roberto Assaf
28/11/2015
10:50
Rio de Janeiro (RJ)

O Flamengo teve sete técnicos estrangeiros: os uruguaios, Ramon Platero (1921) e Juan Carlos Bertoni (1925 a 1928), o inglês Charles Williams (1930 a 1931), o húngaro Isidor “Dori” Kruschner (1937 a 1938), o paraguaio Fleitas Solich (1953 a 1957, 1958 a 1959 a 1962, e 1971), o argentino Armando Renganeschi (1965 a 1967) e outro “guaran”, Modesto Bria, interino em várias ocasiões, e que foi o último gringo a dirigir o Rubro-Negro, por 17 jogos, de janeiro a abril de 1981.

Kruschner teve notoriedade porque trouxe para o Brasil um punhado de conceitos de treinamentos técnicos e também táticos. Muito criticado na época, pelas novidades que introduziu, chegou a ser chamado de “louco varrido”, e a sua importância só foi reconhecida anos após a sua morte, no Rio de Janeiro, em 9 de dezembro de 1941.


De todos, no entanto, o de maior destaque foi o “feiticeiro” Manuel Agustín Fleitas Solich (1900-1984), contratado pelo eterno presidente Gilberto Cardoso depois de conquistar o Sul-Americano de 1953 por seu país, o Paraguai, derrotando justo o Brasil na decisão.

Solich comandou o Flamengo em praticamente toda a década de 1950, conquistando o tricampeonato Carioca em 1955, formando uma geração de grandes craques – Jadir, Dequinha, Jordan, Joel, Rubens, Evaristo, Indio, Henrique Frade, Dida, Babá e Zagallo, entre muitos outros. Mais que isso, porém, foi o primeiro técnico a lançar o craque Zico no time profissional.

Se outro gringo chegar na Gávea agora, quase 35 anos depois do último deles, basta fazer um terço da obra do “feiticeiro”. Se for para fazer figuração melhor que ele permaneça mesmo onde está.