Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo (Foto: Igor Siqueira)

Eduardo Bandeira de Mello, presidente do Flamengo, concedeu entrevista na manhã deste sábado (Foto: Igor Siqueira)

Paulo Victor Reis
13/02/2016
12:31
Rio de Janeiro (RJ)

'Não vejo motivo para quererem aparecer em cima disso'. A frase de Eduardo Bandeira de Mello, parece ser endereçada para o mandatário do Vasco, Eurico Miranda. Na manhã deste sábado, o presidente rubro-negro concedeu entrevista coletiva na Gávea, deu leve cutucada no dirigente rival e eximiu o Flamengo de responsabilidades por qualquer problema que possa ocorrer em São Januário, no clássico de domingo.

- O Flamengo simplesmente quis deixar claro que não tem responsabilidade nenhuma sobre a organização do jogo. Diante do que estava escrito no TAC (Termo de Ajuste de Conduta) qualquer anuência do clube nos tornaria corresponsáveis. Eu falei em português, não falei em russo. Minhas palavras estão gravadas. Não vejo motivo para quererem aparecer em cima disso - disse o mandatário rubro-negro, que foi além, ao falar sobre as responsabilidades de organização.

- O Flamengo não é responsável se vier a acontecer alguma coisa, esperamos que não aconteça. Estamos trabalhando por clima de paz. Se vier a acontecer alguma coisa, o Fla não tem responsabilidade nenhuma nisso - comentou. 

Bandeira também deixou claro que o Rubro-Negro jogará em São Januário contra sua vontade, já que foi voto vencido no Conselho Arbitral da Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro (Ferj).

- Estamos jogando (em São Januário) porque perdemos a votação. O Flamengo foi voto vencido. Como sempre é voto vencido no Conselho Arbitral - disse. 

O presidente do Flamengo confirmou que vai ao jogo e contou que a delegação rubro-negra não terá qualquer tipo de reforço na segurança por se tratar de um jogo na casa do maior rival.

- (Será) Normal. Jogo como qualquer outro, com escolta em qualquer estádio em que jogamos fora ou no Rio. A segurança foi organizada pelo governo do estado - afirmou.