Torcida Islândia

Islandeses orgulhosos com a sua seleção desembarcam em família para o jogo de estreia na Euro contra Portugal (Foto: Carlos Vieira)

CARLOS ALBERTO VIEIRA
14/06/2016
13:59
Saint-Etienne (FRA)

Pelo menos em Saint-Etienne o clima horas antes de um jogo da Eurocopa era de tranquilidade e nada indicava possibilidade de confrontos. Nenhum grito de guerra, turbas de valentões. Muito pelo contrário. Várias famílias, muitas mulheres e crianças, casais de namorados circulavam pela cidade.

Na principal praça da fria cidade (12 graus na véspera do início do Verão), alguns torcedores de Islândia e Portugal curtiam uma espécie de exposição em vários containers. Um deles mostrava uma decoração típica de uma casa portuguesa feita por um designer lusitano.  Em outro, a mesma coisa, mas de um profissional islandês.

Como tudo é muito próximo do centro nesta cidade de apenas 170 mil habitantes, a  praça que tem o Hotel de Ville e a Prefeitura como referência, era a porta de entrada para os torcedores seguirem de trenzinho e à pé para a Fan Zone ou o Estádio Geoffroy-Guichard, separados por apenas 1km.

No palco do Saint-Etienne - clube grande da França que não é campeão desde a era Michel Platini no início dos anos 80 - o bom ambiente imperava quando faltavam menos de três horas antes do jogo de estreia das duas seleções na Eurocopa.

Os portugueses, em maioria esmagadora, aguardavam a abertura dos portões escutando o alto som que vinha do estádio, com música pop e os hinos das seleções, cantados por vários patrícios. Do lado Islandês, tome torcedor com a camisa azul com mulher e filhos ao lado.

- Somos nove e todos com a camisa da seleção, disse Geirsson, com o número 10 e o nome Gudjohnsen (que é o 22 nesta Euro) às costas.

Ao lado do casal Arnisson e Haronn e da pequena Maria Elizabeth, que corria em volta de um ônibus fretado por portugueses - Os garotos estão lá na frente comprando alguma coisa no quiosque - dizia a gordinha Haronn.

Arnisson disse que todos já estavam muito felizes com a classificação da Islândia e que torciam por um resultado histórico, como um empate. Logo foi criticado por Geirsonn.
 
- Não viemos aqui para pouca coisa, a Islândia vai ganhar por 2 a 1.

Torcida de Portugal
Palo, fantasiado de Diabo Português, pulou tanto que acabou quebrando o seu tridente de isopor  (Foto: Carlos Vieira)

Do lado português, confiança. Nenhum torcedor perguntado apostou sequer no empate. Portugal na cabeça.

- Vamos colocar fogo no gelo dos islandeses, gritava um patrício todo pintado de vermelho, com capa, chifre e tridente de Diabo. Chamava-se Palo e fazia a festa dos fotógrafos, já que era a figura mais exótica entre os torcedores.

- Vamos gritar muitos gols do Ronaldo. Muito Siiiiii - gritava Palo, rodeado de amigos.

Numa das poses para fotos o tridente quebrou.

- Espero que não seja um sinal de má sorte - concluiu, antes de posar para mais fotos com torcedores islandeses.