Mineirinho e Filipe Toledo

Evento no Rio contou com a presença de personalidades do surf (Foto: Felipe Panfili)

LANCE!
13/05/2016
19:33
Rio de Janeiro

O Espaço Furnas Cultural inaugurou, nesta quinta-feira, o Museu do Surf Rico, que reúne tesouros do surfe nacional e internacional. O evento contou com a presença de estrelas do esporte como o atual campeão mundial Adriano de Souza, o Mineirinho, Filipe Toledo e Lucas Silveira, que ainda estão na briga pelo título da Rio Pro, etapa do circuito mundial no Rio de Janeiro. Também prestigiaram a inauguração os surfistas Pedro Calado, Silvana Lima, Pedro Scooby e Davi Teixeira (o Davizinho), todos atletas da Equipe Furnas.

O Museu do Surf Rico apresenta ao público pranchas e fotos da coleção de Rico de Souza, precursor do surfe brasileiro. Entre as raridades estão madeirites, com as quais ele iniciou sua carreira no Leblon, além de modelos usados por nomes como Pepê Lopes e o bicampeão mundial Tom Carroll. A exposição ficará em cartaz de 13 de maio a 12 de junho.

- Este não é um espaço meu. Este é um espaço de todos. Fico muito feliz em poder compartilhar não apenas a história deste esporte que amo, mas também de incentivar a cultura e a prática de atividade físicas - afirmou Rico de Souza.

Gerente de comunicação de Furnas, Leandro Coelho também ressaltou a importância do investimento social em projetos esportivos para o desenvolvimento da população.

- O investimento social de Furnas em projetos e ações esportivas está alinhado à política de responsabilidade social da empresa, que tem o objetivo de contribuir com o desenvolvimento da população. É uma grande honra para Furnas receber o Museu do Surfe Rico, que é uma referência do surfe brasileiro. Esperamos que o público venha conhecer um pouco mais da história do nosso esporte neste espaço democrático e inspirador - disse o gerente.

Vencedor da etapa do circuito mundial no Rio de Janeiro no ano passado, Filipe Toledo conheceu cada peça do Museu do Surf, tendo Rico de Souza como guia e não escondeu a emoção.

- Me emociono em ver a história do surfe brasileiro e mundial tão de perto, algo que não tinha acesso até então - comentou Filipinho.