Geraldo Delamore, interino do Cruzeiro (Foto: Geraldo Bubniak/Light Press)

Geraldo Delamore, interino do Cruzeiro (Foto: Geraldo Bubniak/Light Press)

LANCE!
15/05/2016
15:54

Após o duelo contra o Coritiba, disputado nesse sábado, no sul do país, o auxiliar técnico fixo do Cruzeiro, Geraldo Delamore, enumerou os aspectos que levaram o Cruzeiro a deixar o campo com o placar negativo de 1 a 0, na estreia do Brasileirão. Segundo ele, os seus comandados não souberam controlar o jogo e tiveram a vida dificultada com as expulsões do lateral Lucas e do volante Lucas Romero.

- O time não conseguiu, em momento algum, ficar com a bola. Sofreu a pressão do Coritiba nos momentos que poderia ter ficado um pouco mais com a bola para poder aliviar essa pressão. Tecnicamente a equipe não atuou bem no primeiro tempo. E teve um segundo tempo muito acidentado, com duas expulsões, que, logicamente, acabam tirando a condição mais adequada da equipe de tentar buscar o resultado - destacou.

Desde a saída de Deivid, Delamore assumiu o comando da esquadra azul em três compromissos, conseguindo duas vitórias e sofrendo uma derrota. Agora, ele voltará a exercer a função de auxiliar e Paulo Bento, que chega a Belo Horizonte neste domingo, será o responsável por treinar e escalar a equipe na sequência da temporada.

- A gente tem um grupo de jogadores que está saindo do departamento médico e dará mais profundidade ao elenco. Vamos discutir com o Paulo, em cima das ideias dele, apresentar algumas avaliações que nós fizemos, para dar a melhor condição para ele desenvolver o seu trabalho. Ele está vindo para um grande clube da América do Sul e consequentemente do futebol mundial, com uma excelente estrutura física, com um pessoal de apoio capacitado, além de um grupo de jogadores muito profissional - salientou.

- Agradeço a dedicação dos atletas nessas duas semanas, também agradeço à diretoria pela confiança. Gostaria de ter terminado esse período com três vitórias. Tenho falado que o Cruzeiro está num processo de construção de equipe. Dentro desse processo, são quatro, cinco meses em que a equipe vai oscilar - acrescentou.