Infográfico do Corinthians na Libertadores

Aproveitamento contra times do Paraguai é o melhor do Timão entre todas as nacionalidades da Libertadores

Bruno Cassucci e Gabriel Carneiro
08/03/2016
07:30
São Paulo (SP)

O sonho corintiano de conquistar a Libertadores-2016 passa pelo estádio onde a Libertadores-2015 começou a ser perdida. Nesta quarta-feira, o Timão volta ao Defensores del Chaco, em Assunção, no Paraguai, onde foi derrotado por 2 a 0 pelo Guaraní nas oitavas de final da última edição do torneio. 

O momento e a própria equipe, no entanto, são diferentes. Apenas três titulares naquela partida iniciarão o duelo desta quarta-feira contra o Cerro Porteño: Cássio, Fagner e Felipe, além do técnico Tite.

Mas o mesmo passado que traz um fantasma, apresenta motivos de sobra para o corintiano se encher de confiança. Há 17 anos, o mesmo Cerro era derrotado pelo Corinthians por 8 a 2, no Pacaembu, em noite inspirada de Fernando Baiano, atacante que tinha apenas 19 anos na época e marcou cinco gols. Ou melhor, seis, mas um deles foi dado para Índio, fato que Baiano não engole até hoje. 

– Foi o melhor jogo da minha vida, uma noite inesquecível – conta. 

No entanto, o ex-atacante alvinegro alerta que naquela mesma Libertadores o Timão perdeu o jogo de volta, no Paraguai. Mesmo dizendo não haver uma “fórmula mágica”  para repetir a goleada histórica de 1999, Baiano dá dicas para o clube que o revelou vencer amanhã:

– Não sei o que aconteceu naquele dia, eu já acordei diferente, parecia que já sabia o que iria acontecer. Porém, acho que o principal é ter concentração, eu estava muito centrado aquele dia, queria vencer, fazer gols. Deu certo – comentou, ao LANCE!

Não é só esse o retrospecto que joga a favor do Corinthians para espantar o fantasma do Defensores del Chaco. Os paraguaios são grandes fregueses do clube na Libertadores.  Em dez partidas, foram oito vitórias alvinegras, um empate e uma derrota – justamente para o Cerro, em 99. O aproveitamento de 83,3% contra as equipes do país vizinho na competição continental é o melhor do Timão entre todas as nacionalidades. 

Contudo, para seguir 100% no torneio e líder do Grupo 8, é bom o Corinthians ouvir Fernando Baiano...

– Tradição não serve para nada,  não entra em campo. Tem que jogar.