Gabriel Carneiro
28/11/2016
17:50
São Paulo (SP)

Walter poderia estar sorrindo à toa. Contratado pelo Corinthians em 2013, poucos meses após Cássio ser campeão da Libertadores e do Mundial como titular do próprio clube, o camisa 27 roubou a posição do ídolo, teve uma sequência de atuações e ganhou a defesa da torcida e dos profissionais do clube. Três anos após chegar, Walter virou titular de vez. Mesmo assim, o goleiro não consegue se sentir plenamente satisfeito graças à temporada bem abaixo do esperado do Corinthians em 2016.

Eliminado nas semifinais do Paulistão, oitavas da Copa Libertadores e quartas de final da Copa do Brasil, o Corinthians está em sétimo lugar no Campeonato Brasileiro no momento. A distância para o G6 é de apenas um ponto, mas o problema é que resta só uma rodada para o fim da competição. Ou seja, o Timão precisa vencer sua partida contra o Cruzeiro, no Mineirão, e torcer para uma combinação de resultados nas partidas de Atlético-PR ou Botafogo para ir à Libertadores de 2017. Caso contrário...

- Ficamos fora da Libertadores em 2014, eu já estava aqui. Ficar assistindo jogos de casa é difícil, porque é um campeonato que atrai olhares, tanto financeiro quanto para nós, no lado técnico. Se acabar o jogo e não estivermos classificados vai vir pedrada em cima da gente. Até pelo ano, em que não conseguimos engrenar, empatamos em casa com times pequenos, o que não acontecia. Classificando dá uma baixada na poeira, tranquiliza para o ano que vem - disse o goleiro, que definiu a necessidade do Timão contra o Cruzeiro.

- Sabemos que é difícil. Fizemos uma grande partida contra o Atlético-PR, mas a bola teimou em não entrar. Agora é o mesmo foco, errar o menos possível. Precisamos ter um pouco mais para ganhar o próximo jogo e se Deus quiser vamos alcançar esse G6. E nos outros jogos estamos precisando torcer para muita gente. Eu vou assistir o jogo de quarta-feira (final da Copa do Brasil) e vou torcer por uma boa partida, não sabemos o que pode nos ajudar ou não. É bem vindo o Atlético-MG ser campeão, porque abre mais uma vaga para pensar no ano que vem, que é o que nos interessa.

Mesmo com o destino do Corinthians ainda indefinido neste Brasileirão, Walter comemora sua temporada do ponto de vista pessoal. Afinal, aos 29 anos ele virou goleiro titular da equipe. E pretende se manter assim por muito tempo.

- Goleiro normalmente, em todos os clubes onde passei, é muito cobrado nas derrotas. Somos muito cobrados individualmente, então procuramos fazer um trabalho bom, de manter o padrão dos outros jogos e não deixar cair. Tomar gol faz parte, mas fico feliz por manter um padrão desde o jogo em que entrei, contra o Grêmio. Fico feliz. Claro que pelas situações do time a gente não consegue transbordar tanta alegria, mas pelos jogos que fiz fico contente - diz.