Bruno Cassucci e Gabriel Carneiro
27/12/2016
16:04
São Paulo (SP)

Embora confiante, a diretoria do Corinthians evita falar publicamente sobre reforços para não correr o risco de decepcionar a torcida. O fracasso na tentativa de contratar o meia Wagner foi emblemática e serviu de exemplo para os dirigentes, que davam o negócio como praticamente fechado. Há cerca de um mês, cartolas do Timão admitiam a negociação e até confirmavam que o atleta realizaria exames médicos. Hoje, a chegada dele está praticamente descartada.

O jogador de 31 anos também estava entusiasmado e tratava a transferência como certa. Na época, Wagner projetava voltar a trabalhar com Oswaldo de Oliveira, técnico que acabou demitido após o Brasileirão. Ele também se encantou ao visitar a Arena Corinthians, onde assistiu à partida contra o Internacional, em 21 de novembro, em um camarote.

Contudo, as tratativas emperraram na sequência. Os advogados do clube alertaram o departamento de futebol alvinegro sobre os riscos da transferência. Wagner rescindiu unilateralmente o contrato com o Tianjin Teda, da China. Assim, ele poderia assinar com o Corinthians, mas o caso seria julgado na Fifa. Se o meia perdesse a ação, ele teria de arcar com uma multa ao clube asiático, e o Timão seria obrigado a ser solidário no pagamento.

Ainda há uma esperança de que o jogador consiga uma saída amigável do clube, mas Wagner já começou a ouvir outras propostas e a diretoria corintiana passou a buscar outros meias.

Até o momento o Timão já fechou com os atacantes Jô e Luidy, e tem acordo com o Coritiba por Kazim, que é aguardado para exames. O clube ainda busca ao menos um zagueiro, um volante, um meia e um atacante.