Gabriel Carneiro
17/06/2017
18:15
São Paulo (SP)

A cena já é comum: falta marcada próxima da área adversária e Maycon cola ao lado de Jadson. Alguns segundos de conversa e o jovem de 19 anos logo sai da jogada, deixando o veterano de 33 com a missão de criar uma chance de gol para o Corinthians. Apesar de ser frequente nos treinamentos de falta no CT Joaquim Grava, Maycon dificilmente tem oportunidade de executar cobranças durante as partidas justamente pela presença de Jadson. Não é o caso do duelo deste domingo, às 11h, contra o Coritiba, pela oitava rodada do Brasileirão.

Sem Jadson, poupado por desgaste físico, será Maycon o homem da maioria das bolas paradas do Corinthians no Couto Pereira, em cobranças de falta e escanteio. Será a chance para o camisa 8 colocar em prática o fundamento que exercita diariamente na rotina de treinos, honrar a preparação fora de campo que faz há anos e especialmente tentar repetir o que fez em 23 de março, quando marcou de falta o gol de empate em 1 a 1 com o Red Bull na Arena.


Maycon colocou ponto final em um jejum de quase dois anos do Corinthians sem gols de falta. Antes dele, o último havia sido marcado justamente por Jadson em julho de 2015. Contra o Coritiba, neste domingo, o garoto tentará repetir a fórmula e orgulhar seu tio Willians, um dos grandes incentivadores de que ele aprimorasse o fundamento.

- Eu tenho esse tio que sempre pedia para treinar falta. Me perguntava sempre que via: 'E aí, está treinando falta?'. Ele não costuma ir em todos os jogos, mas contra o Red Bull estava lá, eu fiz gol e falei que era para ele. Não tive nenhum mérito, foi todo dele (risos) - brinca, em entrevista ao LANCE!, o promissor meio-campista corintiano.

Além das cobranças do tio Willians, Maycon tem mais dois "professores" nas batidas de falta. O primeiro é Coelho, ex-lateral do Corinthians, especialista em bolas paradas e que trabalhou com o volante na categoria sub-20, como auxiliar. Depois de cada treinamento em 2015 e 2016, Coelho chamava Maycon para aprimorar as cobranças de falta. Eram pelo menos três ou quatro por dia, em rotina que o jogador de 19 anos mantém hoje. A outra inspiração é ainda mais conceituada com a Fiel torcida: Marcelinho Carioca.

- Meu pai me mandava ver vídeos de Marcelinho Carioca. Muitos vídeos mesmo. Mas aquilo que ele faz é muito difícil para mim, o cara tem muita facilidade - brinca Maycon, em referência ao ídolo que marcou 224 gols pelo Corinthians, sendo 59 em cobranças de falta.

Conselhos do tio Willians, treinos com Coelho, vídeos de Marcelinho Carioca e até a inspiração em Jadson. Aos 19 anos, Maycon é candidato a cobrador de faltas do Corinthians para o futuro. E para o presente também.