Gabriel Carneiro
21/10/2016
07:30
São Paulo (SP)

Oswaldo de Oliveira chegou ao Corinthians há apenas uma semana, mas já sofreu uma dura eliminação na Copa do Brasil e tem um importante problema a corrigir: a defesa do Timão não vive uma temporada positiva, como virou hábito desde a retomada do clube na Primeira Divisão, em 2008.

Em 63 jogos na temporada, incluindo Flórida Cup, amistoso, Paulistão, Libertadores, Copa do Brasil e Brasileirão, o Corinthians sofreu 55 gols, média de 0,87 por jogo. O número não é comum. Desde 2008, a defesa apresentou marcas inferiores em apenas três oportunidades: 0,93 em 2014, 0,97 em 2010 e 1,14 na temporada anterior. Em todos os outros anos, a defesa foi o porto seguro do Timão, motivo de orgulho da diretoria e dos atletas.

Recuperar a solidez defensiva que virou marca registrada dos trabalhos de Mano Menezes e Tite é uma das missões de Oswaldo hoje. O problema já está até identificado.

– Tem que ter calma agora, tranquilidade para trabalhar e organizar as coisas. Estamos identificando tudo ainda. É só ter calma. Claro que à medida que tivermos tempo, vamos intensificar algumas situações para evitar o tipo de falhas que tivemos contra o Cruzeiro. Nós precisamos nos concentrar, trabalhar bastante e com bastante intensidade para corrigirmos os erros. São situações previsíveis, que nós alertamos, mas infelizmente não conseguimos o tempo para reparar isso – disse Oswaldo, logo após o Timão sofrer quatro gols do Cruzeiro e ser eliminado da Copa do Brasil, na quarta-feira.

Sétimo colocado do Brasileirão, o Corinthians sofreu 31 gols em 31 partidas e ocupa o posto de quinta melhor defesa do torneio. A partir de domingo, a ideia é passar a repetir o que foi em 2015, 2013, 2012, 2011, 2008...