Olga Bagatini
07/10/2016
18:04
São Paulo (SP)

Distante dos líderes do Brasileirão, o Corinthians tem como principal objetivo no campeonato a busca pela classificação para a Libertadores de 2017. No entanto, mesmo com recente oferta de mais duas vagas no torneio sul-americano, que transformou o G4 em G6, os próprios jogadores alvinegros sabem da dificuldade da missão e preferem não fazer promessas à torcida. É o caso de Uendel. Recém-recuperado de uma lesão muscular na coxa, o lateral alertou sobre os obstáculos que o Timão terá pela frente, mas acredita que a partida contra o Santa Cruz, na próxima quarta, será o momento de tentar virar o jogo. 

Questionado se a presença na Libertadores do ano que vem era obrigação, ele respondeu:

- Difícil falar em obrigação (de vaga na Libertadores), até porque o Brasileiro está muito equilibrado. Mas o momento da reação é esse, não adianta esperar mais dois ou três jogos. Estamos mobilizados, no momento de retomar as vitórias. Grupo está indignado com a situação porque sabe que o Corinthians tem time para brigar pelo G6 - disse Uendel em coletiva no CT Joaquim Grava.

- Não é obrigação, mas é a oportunidade de retomarmos essa sequência de vitórias que a gente teve em outros momentos. Precisamos conquistar pontos agora para pensar lá na frente, até porque está tudo muito aberto. A gente pensa que esse jogo de quarta pode ser o início da retomada - acrescentou.

Para alcançar a vaga na Libertadores, o técnico Fábio Carille estipulou uma meta ao elenco: conquistar 59 pontos no Brasileirão - atualmente, a equipe tem 42, na oitava posição. Uendel reconhece que o objetivo do Corinthians no torneio mudou radicalmente desde o início do ano. Embalado pelo hexa, o clube entrou na competição sonhando com mais um título, mas agora se contentará com uma das seis primeiras vagas. Um dos únicos remanescentes do título de 2015, o lateral lamentou a mudança da realidade no clube do Parque São Jorge e as várias perdas de peças do elenco. 

- Foi uma mudança e tanto, mas o sentimento continua o mesmo. Buscar sempre melhorar. (A saída de jogadores) Faz parte do futebol. O jogador que está no Corinthians e faz boa temporada, inevitavelmente vai chamar a atenção de times de fora. Tivemos mudanças grandes no clube, perdemos jogadores, pessoas da comissão técnica e de vários setores do clube. A equipe está em ano de reconstrução e é difícil fazer isso durante o campeonato, mas não dá para ficar lamentando. Tem olhar para frente, nosso grupo é qualificado para conquistar a meta do G6 e é nisso que a gente tem que se apegar. No futuro, e não no passado - explicou Uendel. 

Após o empate sem gols com o Atlético-MG, na última quarta-feira, o Timão terá uma semana para se preparar para o duelo com o penúltimo colocado, na Arena Pantanal. O time treinou nesta sexta, treinará no sábado e terá folga domingo. Na segunda, Carille começará a esboçar a equipe que será titular em Cuiabá. O fato de o jogo não ser no Arruda anima o elenco corintiano.

- Jogar contra o Santa Cruz no Arruda é difícil, clima quente, a torcida deles sempre comparece. Lá seria mais difícil porque eles conhecem o gramado. Mesmo assim, será difícil. No Brasileiro, times que estão brigando contra a zona de rebaixamento jogam de igual para igual com quem está brigando pela liderança. Fator casa ajuda, mas vai ser complicado - encerrou Uendel.