Uendel cabeceando bola durante treino do Corinthians (Foto: Daniel Augusto Jr)

Uendel cabeceando bola durante treino do Corinthians (Foto: Daniel Augusto Jr)

LANCE!
12/05/2016
18:04
São Paulo (SP)

As recentes eliminações no Campeonato Paulista e na Copa Libertadores não abalam o Corinthians, que "pensa grande" antes do início do Brasileirão. É o que afirma o lateral-esquerdo Uendel, que evitou fazer projeções, mas mostrou confiança na busca pelos primeiros lugares do campeonato nacional.

Para o camisa 6, a equipe tem que encarar as primeiras rodadas como decisões, pois o título é conquistado nas últimas partidas, mas perdido nos jogos iniciais.

- A gente pensa grande. Não sabe como vai ser esse campeonato em relação às forças que vão ter. Ano passado, dei uma entrevista no começo do campeonato falando em título e teve gente que riu, porque estava vindo de um desmanche. A gente acredita que vá brigar lá em cima. Às vezes tem equipe que dispara no começo. Teve momentos que ficaram nós, Grêmio e Atlético, depois a gente disparou. A gente imagina que tenham forças como Santos, Atlético, Grêmio, os times de São Paulo... - analisou.

Uendel também falou sobre a possibilidade de uma nova debandada na equipe, que perdeu seis titulares de 2015 no início da temporada. Edílson, Elias e Felipe são atletas cotados para sair. Tais informações já chegaram ao elenco segundo o lateral, mas apenas por meio da imprensa. Segundo Uendel, os atletas não conversam sobre isso.

Embora torça para que os companheiros não deixem o Corinthians, o lateral admitiu ser difícil o clube não perder atletas na próxima janela de transferências.

- A gente sabe que o futebol é assim. Não tem como manter uma equipe por dois, três anos seguidos. Quando está muito bem, vem equipes de fora e fazem proposta. É normal. O mercado brasileiro é muito enfraquecido por causa da moeda. Até o mercado chinês que começou com essas propostas milionárias. É o que a gente planta por ter bons jogadores. Corinthians sempre vai ter jogadores com propostas de times de fora. Não é de hoje. A gente torce para que todos fiquem e fazer um grande campeonato - opinou.