Bruno Cassucci
30/03/2017
15:05
São Paulo (SP)

A reformulação nas categorias de base do Corinthians tem agitado a política do clube. Após a troca de diretor e de alguns assessores, além da mudança de técnico na equipe sub-20, o Timão está prestes a anunciar o ex-goleiro Fernando Yamada como novo gerente do departamento. Ele substituirá Rodrigo Leitão, contratado há seis meses e que não está nos planos da nova direção - o profissional deixará o Alvinegro, mas tem participado do processo de transição entre diretorias.

A escolha causa controvérsia nos bastidores do Corinthians. Isso porque o profissional é muito ligado ao ex-gerente de futebol Edu Gaspar, hoje coordenador da Seleção Brasileira. Além disso, Yamada trabalha na empresa Think Ball, que agencia atletas profissionais e da base do clube, como Jadson, Léo Príncipe, Vinicius Del'Amore, entre outros.

Pessoas contrárias à contratação do ex-goleiro alegam que, com ele, Edu Gaspar seguirá exercendo influência no Corinthians - o que, segundo eles, já acontece por intermédio do gerente de futebol Alessandro Nunes. Também argumentam que há conflito de interesses no fato de um empresário passar para o "outro lado do balcão".

Em contato com o LANCE!, Yamada disse não ter acerto com o Corinthians e minimizou as críticas:

- Sei que a minha atuação numa empresa de gerenciamento de carreira vai ser e já está sendo criticada, mas isso não é um problema. Meu perfil é para trabalhar em clube, sempre deixei isso claro, até porque passei 18 anos como atleta, três como dirigente do Audax e só um no mercado empresarial. É um sonho antigo. Me preparei para isso - disse o ex-goleiro, que em 2015 e 2016 já havia negociado com o Timão, mas sem sucesso.

Como executivo da base do Audax, Yamada foi finalista do paulista sub-20 e campeão estadual sub-15, participando também da construção da equipe vice do Paulistão de 2016.

Esta, porém, não é a única polêmica recente relacionada à base alvinegra. A situação do ex-técnico da equipe sub-20, Dyego Coelho, também tem sido assunto no Parque São Jorge. De acordo com pessoas influentes no clube, o novo diretor do departamento, Carlos Nujud, desejava demitir o profissional, mas sofreu resistência do ex-presidente Andrés Sanchez, que é muito ligado a Coelho. Assim, o Corinthians decidiu voltar o ex-lateral para o cargo de auxiliar e contratou Pepinho Macia para ser treinador.

Por meio de assessoria de imprensa, Andrés Sanchez negou ter participado desta ou de qualquer outra decisão do clube nos últimos tempos.

Pouco mais de seis meses após grande reformulação na base, o presidente corintiano, Roberto de Andrade, voltou a fazer várias mudanças no departamento em março. Além da saída do diretor Fausto Bittar, substituído por Nujud, Carlos Roberto Auricchio, conhecido como Nenê do Posto, e Jacinto António Ribeiro, o Jaça, foram nomeados diretores-adjuntos.

Tais mudanças foram motivadas por questões políticas. Depois de se livrar do processo de impeachment, Roberto de Andrade decidiu recompensar conselheiros que o ajudaram. O presidente alvinegro tem mandato até fevereiro de 2018, quando haverá nova eleição.

Atualizada às 18h30