Romero, do Corinthians

Titular nos primeiros jogos do ano, Romero volta a ter oportunidade (Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians)

Gabriel Carneiro
05/03/2016
12:04
São Paulo (SP)

Com "ajuda" do departamento médico devido à maratona de jogos e à proximidade do compromisso da Copa Libertadores diante do Cerro Porteño (Paraguai), o técnico Tite definiu só neste sábado a escalação do Corinthians para o clássico deste domingo, contra o Santos, na Vila Belmiro. A surpresa da equipe na oitava rodada do Campeonato Paulista fica por conta da decisão de preservar seis jogadores titulares em relação ao time que venceu o Santa Fe no último meio de semana: Felipe, Uendel, Giovanni Augusto, Guilherme, Rodriguinho e André.

Apesar de tirar mais de meio time titular, o treinador do Timão manteve o esquema tático 4-1-4-1, mas testou variações durante o trabalho deste sábado. O time que inicia o confronto diante do Santos, desta forma, é o seguinte: Cássio; Fagner, Balbuena, Yago e Guilherme Arana; Bruno Henrique; Ángel Romero, Willians, Danilo e Lucca; Luciano.

Porém, Tite esboçou algumas mudanças de posicionamento, especialmente com duas peças: Willians e Romero. Em um dos testes, recuou o volante para atuar ao lado de Bruno Henrique em um 4-2-3-1, e em outro inverteu o posicionamento de Luciano e Romero, trazendo o paraguaio para atuar como centroavante. Apesar das tentativas, a equipe trabalhou a maior parte do tempo no tradicional 4-1-4-1, e assim deve iniciar o compromisso diante do Santos, neste domingo, às 16h.

Neste sábado, Tite observou o aquecimento dos jogadores e logo depois comandou um treinamento coletivo em campo reduzido, com pausas constantes para orientações. Nesta atividade, o time reserva formou com: Walter; Edilson, Felipe, Vilson e Uendel; Cristian; Claudinho, Maycon, Rodriguinho e Alan Mineiro; André. Em seguida, os titulares do Timão estiveram em um trabalho tático, com foco no posicionamento em bolas paradas defensivas e ofensivas.

O único dos titulares que não apareceu em campo foi Giovanni Augusto, que já não havia atuado na atividade de sexta-feira em razão da fadiga muscular elevada acusada nos exames realizados pelos fisiologistas do clube. Se Giovanni Augusto não foi a campo, o meia Marlone esteve no gramado para dar trotes conduzindo a bola, uma nova etapa de seu tratamento no tornozelo esquerdo. Ele ainda levará de duas a três semanas para retornar à equipe.