Tite, durante a vitória do Corinthians sobre o Shakhtar (Foto: Daniel Augusto Jr)

Tite, durante a vitória do Corinthians sobre o Shakhtar (Foto: Daniel Augusto Jr)

Bruno Cassucci
21/01/2016
06:20
Enviado especial a Orlando (EUA)

A vitória sobre o Shakhtar Donetsk (UCR) alegrou e aliviou o técnico Tite, mas não fez o técnico do Corinthians se iludir. Mesmo com o triunfo sobre os ucranianos, o treinador reconheceu que terá muitas dificuldades para remontar a equipe hexacampeã brasileira no ano passado.

Tite quer tempo e paciência da Fiel torcida. Em suas últimas entrevistas, o treinador deixou subentendido que vê a briga pelos títulos do Paulistão e da Libertadores comprometidas por conta das baixas no elenco.

- Milagre não dá, ninguém faz (risos). Eu vou pegar uma manifestação que vocês da imprensa fizeram e foram felizes. O time que bateu campeão e encantou em 2015 foi o que perdeu para o Guaraní do Paraguai, porque rodou, amadureceu. Você não precisa perder, mas é natural da reestruturação. O grande Milan (ITA) do Carlo Ancelotti passou dois anos sem vencer. Futebol precisa de tempo, não há magia, há que ter tempo, vencer, perder... - declarou.


Em sua primeira entrevista após a saída de Gil do Timão para o Shandong Luneng, da China, Tite avisou:

- É necessário, precisamos (contratar um zagueiro).

O comandante corintiano, contudo, mais uma vez evitou comentar sobre negociações e até mesmo do volante Willians, que já deixou o Cruzeiro e deve assinar por empréstimo com o Timão nesta quinta-feira. Sobre mais uma perda para a China, ele limitou-se a dizer que o poderio financeiro acaba sendo decisivo para os clubes brasileiros se desmontarem.