Bruno Cassucci e Gabriel Carneiro
15/11/2016
07:30
São Paulo (SP)

A matemática tem jogado a favor do Corinthians no Campeonato Brasileiro. Na última rodada, por exemplo, era grande a possibilidade de o time de Oswaldo de Oliveira ser ultrapassado na tabela de classificação e se distanciar ainda mais do sonho de uma vaga na Libertadores. Não foi assim. Mesmo goleado pelo São Paulo, o Timão viu os dois times à sua frente e os dois de trás não vencerem. Teve mais sorte que juízo...

Agora o Corinthians diz que acordou e espera que os números continuem sendo parceiros nas quatro rodadas finais do Brasileirão. A nova parte da “missão Libertadores” começa nesta quarta-feira, contra o Figueirense, às 21h45, em Florianópolis. E o corintiano pode ficar otimista desde já, porque o aproveitamento de sua equipe contra os piores times do Brasileirão é positivo.

Dos 50 pontos somados até o momento pelo Corinthians, 34 foram diante de algum dos dez últimos colocados – ou seja, 68%. E isso tudo restando ainda três “lanternas” pela frente: Figueirense (18º), Internacional (17º) e Cruzeiro (13º, mais distante da ameaça de rebaixamento). Isso significa que o Timão conquistou só 14 pontos em 17 jogos contra algum dos dez primeiros do Brasileirão. Só resta o Atlético-PR, concorrente direto por uma vaga na Libertadores, pela frente.

– Eu não me aterrorizo com os resultados que o Corinthians tem conseguido até agora, eu prefiro programar meu trabalho para que isso que está acontecendo agora seja parte inicial de um trabalho que terá continuidade e se Deus quiser terá vitórias e títulos à frente – diz o técnico Oswaldo de Oliveira, que comandou apenas quatro jogos até o momento.

A lógica de tirar pontos apenas dos piores times do campeonato e sofrer contra quem está bem ou disputa coisas grandes não é nenhuma novidade na temporada do Corinthians. Este próprio LANCE! publicou, em setembro, uma matéria que mostrava que Cristóvão Borges conquistou 90% de seus pontos contra os lanternas e apanhou dos primeiros colocados. Cristóvão já foi demitido, Fabio Carille já foi interino e agora Oswaldo assumiu o desafio de levar o Corinthians à Libertadores. Só que até agora...

– Oscilamos muito, fomos irregulares, tivemos momentos bons e ruins. Agora precisamos correr atrás da recuperação nestas quatro partidas. Se não ficarmos no G6 será uma decepção – explica Cássio.

Hoje, o Timão soma 31,6% de chances de evitar esta decepção, ocupa o sétimo lugar, um ponto atrás do G6. Os números salvam?